entregador do ifood
Divulgação/iFood
A taxa de entrega do iFood dobrou no último mês, segundo empreendedores

O aplicativo de entrega de comidas iFood tem aumentado suas taxas de entrega. Segundo relatos de donos de negócios do ramo alimentício, o valor dobrou neste mês. "Antes, nossa taxa entrega era de R$ 3,99 e agora varia entre R$ 6,99 e R$ 7,99", diz o gestor de um restaurante no centro de São Paulo, que não quis se identificar. 

O entrevistado diz também que o aumento nesse mês pode ter sido um dos fatores para a queda no movimento do negócio. "Nosso rendimento de maio certamente não vai chegar ao que tivemos em abril", afirma. Nas redes sociais, houve também reclamações sobre a mudança de valores por empreendedores do setor.

O que o iFood fez em plena quarentena com os bares e restaurantes funcionando só com delivery? Dobrou o valor de todas...

Posted by Raphael Vidal on  Thursday, May 14, 2020



Procurado pelo iG, o iFood afirmou que desde sexta-feira passada (15), "alguns parceiros tiveram diminuição e outros aumento" em suas taxas de entrega e que "os valores acompanharão o dinamismo do mercado, levando em consideração fatores, como por exemplo, cidade e raio de entrega."

Sobre o dinamismo de mercado, o iFood esclareceu que um dos fatores para aumento de taxa pode ser o balanço entre oferta e demanda  da quantidade de entregadores disponíveis e restaurantes. Se houver poucos entregadores para fazer o percurso entre o estabelecimento e a casa do cliente, a taxa sobe. 

Segundo a empresa, os restaurantes cadastrados em sua plataforma podem acessar o Portal de Parceiros do iFood e optar por participar de ações de entregas grátis. Além disso, o iFood afirma que criou quatro projetos de ajuda aos restaurantes durante a crise, que podem ser acessados em seu  site institucional. 

Projeto de Lei inclui tema de delivery na pandemia

Nesta semana, o tema dos deliveries também foi discutido no Senado, com o projeto de lei 1.179/2020. 

O texto tinha sido aprovado em abril no Senado, seguiu para a Câmara – onde sofreu mudanças – e retornou ao Senado. As mudanças excluíam o tema dos aplicativos de viagem e delivery, mas a alteração foi rejeitada pelos senadores e agora o texto irá para sanção presidencial.

Os senadores retomaram o trecho que obriga empresas de aplicativos de entrega e transporte individual, como o iFood, a reduzir em 15% o percentual cobrado de motoristas e entregadores por cada viagem até 30 de outubro, aumentando os valores repassados a eles.

A senadora Simone Tebet (MDB-MS) disse que esse dispositivo tinha sido inserido no texto por emenda do senador Fabiano Contarato (Rede-ES), para garantir que, até 30 de outubro deste ano, as empresas repassassem aos motoristas e entregadores ao menos 15% a mais em cada viagem realizada, reduzindo proporcionalmente os valores atualmente retidos por elas.

A emenda também proibia o aumento dos preços cobrados nas viagens, como forma de evitar que o ônus fosse repassado aos usuários do serviço.

"Não existem fatos novos que possam sustentar, a meu ver, uma mudança de posicionamento da maioria já formada a respeito do assunto", declarou Tebet sobre a alteração feita pela Câmara.

    Veja Também

      Mostrar mais