Brasil Econômico

caixa
Hermes de Paula / Agência O Globo
Trabalhadores que tiveram acordos por conta da Medida Provisória trabalhista são beneficiários

Em coletiva de imprensa nesta terça-feira (19), a vice-presidente do Governo da Caixa Econômica Federal, Tatiana Thomé, divulgou os dados sobre o pagamento do Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e Renda, que começou a ser pago na segunda-feira (18).

Segundo a Caixa, 1,8 milhões de pessoas que tiveram jornada e salário reduzidos, bem como a suspensão de contratos de trabalho, já foram pagas. Dessas, 1,2 milhão receberam o valor pela poupança da Caixa, 645 mil por Poupança Digital e 28,7 mil pelo Cartão Cidadão.

Leia ainda: Mães solo podem denunciar ex-companheiros que usam CPF do filho indevidamente para recebimento do auxílio

"Esse benefício é pago a todos os trabalhadores que fizeram acordo de trabalho com seus empregadores e que nesse acordo haja ou suspensão da carteira de trabalho, do contrato, ou redução da carga horária e de salário. Esse acordo é registrado pelo empregador no ministério da economia e depois de 30 dias o empregado recebe esse auxílio", afirmou Thomé.

O auxílio varia de R$ 261 a R$ 1.813 de acordo com o salário do empregado e do tipo de acordo – se foi suspensão, redução e qual foi o percentual de redução.

Em caso de suspensão, o empregado recebe duas parcelas e, se tiver sofrido redução, receberá três.

"O governo está dando auxílio para manutenção do emprego, dando fôlego para o empregador e garantindo, por igual período, a duração desse contrato de trabalho. Ou seja: se a pessoa recebe o auxílio por três meses ela tem a garantia de emprego por seis meses", disse a vice-presidente.

O benefício começou a ser pago no dia 4 de maio.

Veja mais:  Segunda parcela do auxílio emergencial – veja datas e nova organização


    Veja Também

      Mostrar mais