Guedes e Bolsonaro
Marcos Corrêa/PR - 1.4.20
Jair Bolsonaro e Paulo Guedes

O governo quer usar a negociação em torno do pacote de socorro aos estados como moeda de troca para convencer governadores a aderir à abertura gradual da economia a partir de junho.

A abertura não seria linear. Começaria nos municípios menos atingidos pela Covid-19 e com normas sanitárias definidas, como uso obrigatório de máscaras. Mas muitos governadores são contrários ao relaxamento de medidas de isolamento.

STF pede para Bolsonaro ser avisado sobre ação que obriga análise de impeachment

O projeto de socorro ainda depende de uma decisão do presidente Jair Bolsonaro sobre o veto a reajuste de servidores. E é esse um dos pontos que estão na negociação.

Estados e municípios têm autonomia para aceitar ou não essa abertura gradual idealizada pelo governo federal. Um exemplo foi o decreto presidencial autorizando a volta ao funcionamento de academias, barbearias e salões de beleza no país.

Nem todos os governadores concordam com isso e continuarão impondo medidas restritivas de circulação de pessoas.

O problema é que muitos estados e municípios necessitam com urgência dos recursos e já falam abertamente na possibilidade de atrasar salários de servidores. O principal ponto em aberto do projeto é a permissão a reajustes salariais. Inicialmente, o projeto previa uma economia de R$ 130 bilhões com o congelamento de salários de servidores por 18 meses.

Vídeo: "Nenhum presidente é maior que o seu ministério", dizia Bolsonaro em 2018

Havia exceção para atividades que lidam diretamente com o combate à pandemia, mas a lista de atividades fora do congelamento foi aumentando durante a tramitação e passou a abranger profissionais de saúde, educação e segurança. Com isso, a economia do projeto cai para R$ 43 bilhões.

A expectativa é que o presidente Jair Bolsonaro vete a possibilidade de aumento, atendendo a um pedido do ministro da Economia, Paulo Guedes.

Videoconferência com governadores

A negociação com os estados começa nos próximos dias. Na quinta-feira, o presidente anunciou que terá uma reunião por videoconferência com os governadores. Bolsonaro conversou com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Foi aconselhado por Maia a se reaproximar dos chefes dos executivos locais para encontrar uma solução para os efeitos da pandemia no país.

Orientado pela equipe econômica, o Palácio do Planalto trabalha com o próximo dia 31 de maio para iniciar esse processo, data que coincide com o fim do confinamento previsto pelo governador de São Paulo, João Doria — adversário político de Bolsonaro e que está à frente do estado mais afetado pela pandemia.

    Veja Também

      Mostrar mais