Boeing desistiu de comprar parte da Embraer, culpando empresa brasileira por fracasso do acordo
Divulgação/Boeing
Boeing desistiu de comprar parte da Embraer, culpando empresa brasileira por fracasso do acordo

A norte-americana Boeing confirmou à Reuters  neste sábado (25) que desistiu do acordo de US$ 4,2 bilhões firmado com a Embraer para comprar a área de aviação comercial da fabricante de aviões brasileira, que não teria cumprido todas as exigências previstas no acordo bilionário.

Leia também: Em novo recorde, dólar chega a R$ 5,668 e bolsa cai 5,45%

Segundo fontes próximas à negociação, a Embraer enviou uma carta nesta sexta-feira (24) se recusando a estender o prazo de 24 de abril para a conclusão do acordo de fusão entre as empresas, que demanda que a Boeing compre 80% das atividades da área de aviação comercial da empresa brasileira.

Porém, a atual situação financeira vivida pela companhia norte-americana faz analistas ouvidos pela Reuters suspeitarem de "oportunismo", já que o alto investimento na Embraer poderia ser mais arriscado em um contexto de crise econômica global tão grave quanto o atual, causado pela pandemia do novo coronavírus (Sars-Cov-2). A empresa deixou o acordo com a fabricante brasileira expirar para se pronunciar, culpando a Embraer.

Maior fabricante de aviões dos Estados Unidos, a Boeing pediu em março ao menos US$ 60 bilhões ao governo norte-americano em garantias de empréstimos para si e para outros fabricantes aeroespaciais, ajudando o setor a resistir aos efeitos da pandemia.

No início deste mês, a companhia norte-americana já havia suspendido a produção de seu avião 787 na Carolina do Sul e suspendido por tempo indeterminado as operações de produção no estado de Washington.

Procurada, a Embraer, terceira maior fabricante de aviões do mundo, não comentou sobre o fracasso da negociação.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários