Brasil Econômico

moro e paulo guedes
Gabriel de Paiva/Agência O Globo
Mercado teme que Paulo Guedes seja o próximo a deixar o governo após demissão de Sergio Moro

O mercado financeiro teme que o ministro da Economia, Paulo Guedes, seja o próximo a deixar o governo de Jair Bolsonaro. Os rumores começaram nesta quinta-feira (23) e se acentuaram após o pedido de demissão de Sergio Moro e o cancelamento da participação de Guedes em uma transmissão ao vivo promovida pelo banco Itaú na manhã desta sexta-feira (24).

Leia também: Com saída de Moro, dólar dispara e bate R$ 5,72 nesta sexta

Após confirmação na véspera pelo Itaú e o Ministério da Economia, Guedes decidiu, um minuto antes da live começar, cancelar sua participação. A entrevista com o ministro estava prevista para as 10h30 desta sexta, mesmo momento em que ocorreu a coletiva marcada pela confirmação da demissão de Moro . A assessoria de imprensa do ministro não informou o motivo do cancelamento. Guedes teria, ainda, mudado sua agenda da tarde desta sexta.

Com a confirmação da demissão do ministro da Justiça e da Segurança Pública, o mercado reagiu muito mal. O dólar disparou, chegando a bater R$ 5,72, enquanto o Ibovespa, principal indicador da Bolsa brasileira, a B3, caiu mais de 6,4%.

Essa seria a primeira aparição pública de Guedes depois do governo lançar o programa Pró-Brasil , para a recuperação econômica do país baseada no investimento público, o que vai contra as diretrizes do ministro.

O mercado já teme que a saída de Moro possa enfraquecer o governo ainda mais, culminando na saída de Guedes e na perda da governabilidade.

Pedro Paulo Silveira, Economista-Chefe da Nova Futura, diz acreditar que a virada no mercado antes da confirmação da saída de Moro já demonstrava que o governo estava com conflitos. "O mercado aqui virou por um conjunto de medidas que podem indicar que os problemas políticos do governo estão aumentando". Segundo Silveira, o mercado já reagia mal por conta da ausência de Guedes na divulgação do pacote de medidas econômicas. "O mercado estava repercutindo mal a divulgação do plano Pró Brasil sem a participação do Paulo Guedes. Esse rumor, com a saída do Moro, aumentou o desconforto do mercado", afirma.

Fernando Bergallo, Diretor de Câmbio da FB Capital, defende que o mercado já reage mal desde a demissão de Mandetta . "A troca do Ministro da Saúde em plena pandemia, obviamente, já pegou muito mal para o investidor estrangeiro, e no momento em que o segundo pilar do governo, que é o Ministro da Justiça, que emprestou a credibilidade toda para o Bolsonaro sai do governo, você está perdendo outra perna desse tripé que não vai se sustentar sozinho". Ele complementa ainda que "já há rumores que o próximo a sair é o Paulo Guedes, a partir daí, acabou o governo".

Leia também: Moro pede demissão e diz que indicações políticas não são aceitáveis

Fabrizio Gueratto, financista do Canal 1Bilhão Educação Financeira, diz que Moro era um dos principais pilares do governo, e que sua saída pode aumentar a possibilidade de saída de Guedes. "A governabilidade pode estar sendo perdida bem no meio da terceira guerra mundial e Paulo Guedes pode não enxergar mais motivos para ficar no cargo", acredita.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários