dólar
shutterstock
Dólar começa a semana em alta


O dólar comercial subiu 0,95% na manhã desta segunda-feira (30), chegando a R$5,148, e o Ibovespa (principal índica da Bolsa de São Paulo), operou com ligeira alta de 0,1%, atingindo os 73.504 pontos. Os principais motivos que fazem com que o dólar volte a operar pressionando frente ao real são o alastramento da Covid-19 nos Estados Unidos e as medidas adotadas pelo país para contê-la.

No domingo (29), durante entrevista coletiva, o presidente americano Donald Trump afirmou que a quarentena no país foi estendida até 30 de abril. Além disso, Anthony Fauci, epidemiologista da Casa Branca, avaliou que o país poderá ter de 100 mil a 200 mil mortos por causa da doença.

Leia também: Senado dos EUA aprova socorro de US$ 2 trilhões para aliviar impacto da Covid-19

"A estimativa de milhares de mortes nos Estados Unidos, junto com a ampliação da quarentena por lá, fazem com que o mercado fique sem saber qual direção seguir. Os investidores não têm como retomar a confiança, por enquanto, para alocar recursos em outros investimentos" avalia Victor Beyruti, economista da Guide Investimentos.

Embora a situação da saúde pública americana tenha sido agravada nos últimos dias, os investidores ainda seguem vendo o dólar como um ativo de proteção por conta do tamanho da economia dos EUA.

"Mesmo com a pandemia, os Estados Unidos seguem como o país mais rico do mundo. Entre as economias mais fortes, é a americana quem tem mais munição, seja do lado monetário ou fiscal, para sustentar a economia neste momento. Isso faz com que o país ainda seja visto como refúgio", diz o economista.

    Leia tudo sobre: Donald Trump

    Veja Também

      Mostrar mais