Brasil Econômico

Revisão é efeito do coronavírus na economia
Foto: Shutterstock
Revisão é efeito do coronavírus na economia

O Ministério da Economia anunciou nesta sexta-feira (20) o corte na projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) a 0,02%, ante alta de 2,1% indicada há dez dias.

O número foi divulgado em meio ao avanço do coronavírus e seu dramático impacto na economia. O PIB é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia.

Em dia de trégua, bolsas asiáticas e europeias se recuperam nesta sexta-feira

Em 2019, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o PIB cresceu 1,1%. Foi o desempenho mais fraco em 3 anos, com o resultado afetado principalmente pela perda de ritmo do consumo das famílias e dos investimentos privados. Em 2017 e 2018 o crescimento foi de 1,3% em ambos os anos.

Inflação

Segundo previsão da Secretaria de Política Econômica, a previsão para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial, a expectativa para este ano passou de 3,12% para 3,05%. Na semana passada, o mercado financeiro estimou um IPCA de 3,10% para 2020.

Decreto de calamidade

De acordo com o governo se o decreto de calamidade pública não fosse aprovado pelo Congresso Nacional, seria necessário efetuar um bloqueio de R$ 37,553 bilhões em gastos no orçamento neste momento.

Brasil pode ter pior recessão desde 1962 neste ano, estima FGV

Nesta sexta-feira (20), porém, o Senado Federal aprovou o projeto de decreto legislativo que reconhece o estado de calamidade pública no país em razão da pandemia de coronavírus.

Com isso, o governo não precisará mais cumprir a meta fiscal e poderá efetuar os gastos necessários para combater a pandemia do coronavírus, e seus efeitos na economia.

    Veja Também

      Mostrar mais