Brasil Econômico

Bruno Covas, prefeito de São Paulo
Roberto Casimiro/Fotoarena/Agência O Globo
Bruno Covas, prefeito de São Paulo

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), anunciou nesta quarta-feira (18), a determinação para fechar lojas na cidade para conter o avanço do coronavírus na capital paulista.

Estão liberados para funcionamento apenas farmácias, padarias, restaurantes, supermercados, postos de gasolina e feiras livres. Determinação vale até o dia 5 de abril.  Covas decretou estado de emergência na cidade na última terça-feira, 17. O ato foi publicado no Diário Oficial do Município.

Banco Central corta Selic para 3,75%, a nova mínima histórica

"As lojas poderão continuar a funcionar para balanços, entregas delivery, inventário, pequenas reformas. Mas atendimento presencial fica proibido a partir de sexta-feira", disse o prefeito de São Paulo, durante coletiva de imprensa.

Covas destaca que para os estabelecimentos citados continuarem funcionando precisam obedecer a distância mínima de um metro entre as mesas, além de intensificarem as ações de limpeza e disponibilizarem álcool gel aos clientes e informações sobre o novo coronavírus.

Doria determina fechamento de shoppings e academias na Grande SP

Mais cedo, o governador de São Paulo, João Doria, anunciou que todos os shoppings centers da capital e cidades da região metropolitana deverão ser fechados até 30 de abril. A medida não vale para os shoppings do interior e do litoral paulista. 

Prefeitura de São Paulo cancela eventos e adia férias de profissionais de saúde

Durante entrevista coletiva, Doria também determinou o fechamento de academias de ginástica, que terão até o domingo, dia 22 para suspensão de funcionamento.

    Veja Também

      Mostrar mais