Ronaldinho Gaúcho está preso no Paraguai
Facebook/Reprodução
Ronaldinho Gaúcho está preso no Paraguai

Atraído pela promessa de rendimentos de 2% ao dia, um homem, que preferiu não se identificar, afirmou que investiu R$ 1 milhão na empresa 18k (antes chamada de 18kRonaldinho) porque, segundo ele, a imagem de Ronaldinho Gaúcho transmitia segurança.

De acordo com o portal de notícias G1 , o homem alega ter sido uma das vítimas do suposto esquema de pirâmide financeira que tinha o ex-jogador de futebol, atualmente preso no Paraguai suspeito de utilizar documentos falsos, como “embaixador”.

Após quase cair 20%, Ibovespa ameniza queda e recua 14% com anúncio do Fed

“Quando a 18KRonaldinho veio com o nome do Ronaldinho, ele sendo realmente o dono e fazendo todas as ações de marketing e garantindo que realmente podia entrar, que ele mesmo não entraria em algo, não colocaria o nome dele em algo que não tivesse credibilidade, isso passava para nós investidores uma segurança”, afirmou.

Ele disse ter conhecido a empresa por meio de um amigo e ao ver Ronaldinho Gaúcho como garoto-propaganda confiou no projeto, criando 55 contas. Durante quatro meses ele declarou ter depositado R$1 milhão em criptomoedas.

O homem, que ajuizou uma ação coletiva na Justiça de Goiás junto a outras 150 pessoas, explicou que no início conseguia realizar os resgates. No entanto, segundo ele, há um mês o sistema está fora do ar.

“É inacreditável que você faça um investimento tão alto como foi o meu caso e de muitas pessoas dentro que uma empresa que tinha um nome, carregava o nome de alguém que era uma celebridade internacional e pudesse tomar um tombo tão grande quanto a gente tomou”, desabafou.

Azul e Latam reduzem voos internacionais em até 30% por causa de coronavírus

Sobre a ação contra a 18k

A ação ajuizada pela suposta vítima da 18k já tem data para acontecer. Segundo o TJ-GO, a audiência está marcada para o dia 22 de maio, às 14h30, no 1º Centro Judiciário de Soluções de Conflitos e Cidadania, em Goiânia.

O advogado Fernando Henrique Barbosa, responsável por mover a ação em parceria com o Instituto Brasileiro de Consumo afirmou que muitas pessoas perderam praticamente tudo.

“São investimento de uma vida inteira. Às vezes a pessoa deixou um patrimônio, vendeu, investiu e está sem nada, endividado”, afirmou Barbosa.

Já o instituto afirmou que a empresa é uma pirâmide financeira que promete lucros de 400% sobre o valor investido além de ganhos por indicação de novos “investidores”.

    Veja Também

      Mostrar mais