Brasil Econômico

dinheiro
Marcos Santos/USP Imagens
Salário mínimo pode crescer menos do que o esperado em 2021 por conta da inflação

A Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia informou nesta quarta-feira (11) que reduziu, de 3,73% para 3,28%, a sua estimativa para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) em 2020. Isso pode, na prática, fazer com que o salário mínimo suba menos do que o projetado anteriormente.

Leia também: "Temos de entender por que a economia não cresce após a reforma da Previdência", diz Maia

O INPC, índice usado pelo governo para corrigir o salário mínimo anualmente, impacta diretamente no valor do piso nacional. Com essa redução prevista pelo governo, o reajuste do valor que vai vigorar em 2021 pode diminuir o valor de salários e benefícios que seguem o mínimo de cada ano.

Com a nova estimativa do governo, o salário mínimo passaria de R$ 1.045 para R$ 1.079,27 em janeiro no ano que vem, valor R$ 4,70 menor do que a expectativa anterior da área econômica do governo, R$ 1.083,97.

A nova previsão para o INPC foi divulgada nesta quarta-feira (11) pelo ministério chefiado por Paulo Guedes no Boletim Macrofiscal. No mesmo documento, o governo também reviu para baixo a estimativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, por conta dos impactos causados pelo novo coronavírus .

O governo defende a correção do salário mínimo para 2021 seguindo apenas a variação da inflação registrada pelo INPC neste ano, sem ganho real, mas diz que segue monitorando o comportamento da inflação durante o ano de 2020.

Leia também: Governo reduz de 2,4% para 2,1% previsão de alta do PIB em 2020

Segundo os cálculos oficiais, cada R$ 1 de aumento no salário mínimo em 2020 traz despesa extra que se aproxima de R$ 355,5 milhões. Seguindo essa lógica, os R$ 4,70 a menos no salário mínimo de 2021 reduziriam os gastos públicos em R$ 1,66 bilhão.

    Veja Também

      Mostrar mais