IstoÉ Dinheiro

coronavírus na China
shutterstock
coronavírus na China

A epidemia do coronavírus, que segue em expansão pela China, pode gerar uma queda de 3,5% no volume de exportações do Brasil, segundo a Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB).

Coronavírus: o que muda com a declaração de 'emergência internacional' da OMS?

Ao jornal O Globo, o presidente da AEB, José Augusto de Castro, disse que a estimativa de 3,5% pode aumentar conforme o avanço do vírus pelo continente asiático – maior comprador de produtos brasileiros –, seguido de outros mercados pelo mundo.

Na última quinta-feira (30), a Organização Mundial da Saúde (OMS), atualizou o risco do vírus como “emergência internacional” .

China determina aumento na produção de alimentos por crise do coronavírus

Em 2019 as trocas comerciais envolvendo Brasil e China alcançaram quase US$ 100 bilhões. O gigante asiático é comprador de commodities brasileiras, sobretudo petróleo, soja, carnes e minério de ferro e exportador de eletroeletrônicos e utensílios domésticos.

Castro aponta esta dependência de commodities como um problema para o mercado brasileiro, tornando-o “vulnerável” ao sobe e desce da economia externa.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários