reforma tributária
Marcelo Camargo/ABr
Rodrigo Maia se diz confiança na aprovação da reforma tributária


O presidente da Câmara dosDeputados , Rodrigo Maia , disse que acredita que a reforma tributária possa ser votada até o mês de abril no Congresso . Ele afirmou, ainda, que o tema não é simples, mas que está bastante otimista com o cronograma.

"Até abril este tema tem que estar resolvido. Em fevereiro será criada a comissão especial na Câmara,que deve durar 30 dias. Organizamos o texto, depois vai a plenário e em seguidapara o Senado. Não é simples, mas estou bastante otimista. Esta na hora de enfrentar esse tema e fazer com que a reforma tributária ande. E quando o governo enviar a reforma administrativa,vamos dar a mesma celeridade", afirmou Maia, durante uma conferência para investidores em São Paulo na noite de quarta-feira (29).

Para o presidente da Câmara , as eleições municipais deste ano não vão atrapalhar as votações no Congresso . "Ao contrário, vai ajudar. Há muitos deputados candidatos a prefeito e como é que vai perder uma eleição para prefeito tendo ajudado a aprovar a reforma tributária?", afirmou Maia.

Leia também: Reforma tributária pode ser votada até junho, diz relator

Privatização da Eletrobrás

Já para o andamento da privatização daEletrobras , a eleição municipal pode ser um problema no Congresso . " Minha sensibilidade é que esse problema vai aparecer. A eleição municipal tem influência no processo. A Eletrobras tem subsidiárias importantes como Furnas e a Chesf. E há deputados esenadores que não vão querer que a matéria ande. Se não tiver uma solução rápida neste primeiro semestre, vamos ter que montar um cronograma de votaçãosó no final do ano", disse Maia.

Ele disse, ainda, que a criação de um projeto de leique permita a venda da estatal esbarrou no Senado ano passado. No mesmo evento em que Maia esteve presente, o presidente da Eletrobras ,Wilson Ferreira Junior, disse que a meta é conseguir a aprovação na Câmara e no Senado ainda no primeiro semestre. Ele admitiu a necessidade de intensificar as negociações com o Senado.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários