Tamanho do texto

O IPCA, índice que mede a inflação no Brasil, teve sua previsão reduzida pelos economistas do mercado financeiro ouvidos pelo Banco Central no relatório Focus

inflação arrow-options
Reprodução
Mercado financeiro estima inflação de 3,56% para o fim de 2020


Economistas do mercado financeiro reduziram a estimativa do Índice de Preços ao Consumidor Amplo ( IPCA ) para 2020 pela terceira semana consecutiva. Segundo a nova previsão, o IPCA, indicador oficial da inflação no Brasil, será de 3,56% ao final do ano - antes, a expectativa era de 3,58%. 

Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (20) no relatório semanal Focus do Banco Central , que ouve economistas das 100 principais instituições financeiras do mercado brasileiro.

Leia também: Em 2019, inflação para famílias mais pobres foi maior do que para as ricas

Além da queda no IPCA , os especialistas previram também uma alta no crescimento do PIB para este ano. De acordo com o relatório, o crescimento da economia brasileira em 2020 deve ser de 2,31%. Anteriormente, a previsão era de 2,30%. Para o próximo ano, a expectativa é que o crescimento do PIB chegue a 2,50%.

Selic e Dólar

A meta da inflação para este ano, fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) , é de 4%. Quem persegue esta meta é o Banco Central , que eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia, a Selic

Com relação à Selic , a previsão dos economistas é que, ao final deste ano, ela se mantenha a 4,5%, índice atual. Para 2021, o mercado prevê que a taxa suba para 6,25%. 

Leia também: Bolsonaro anuncia novo aumento e fixa salário mínimo em R$ 1.045

Outra previsão divulgada pelo relatório Focus é o câmbio . No final de 2020, os especialistas prevêem que a cotação do real frente ao dólar seja de R$4,05. Em 2021, a estimativa é de que esse valor caia para R$4. 

Estimativas para 2020

Conheça as previsões dos economistas divulgadas no relatório Focus, em comparação à estimativa divulgada na última semana:

  • IPCA : caiu de 3,58% para 3,56%
  • PIB : subiu de 2,30% para 2,31%
  • Selic : permaneceu a 4,5% ao ano
  • Dólar : subiu de R$4,04 para R$4,05
  • Balança comercial : subiu de US$ 37,31 bilhões para US$ 37,40 bilhões de resultado positivo
  • Investimento estrangeiro direto : permaneceu em US$ 80 bilhões