Desigualdade salarial afeta as mulheres.
shutterstock
Desigualdade salarial afeta as mulheres.

As mulheres têm mais anos de estudo que os homens, são maioria entre os que chegaram ao curso superior , mas continuam a ter presença maior nas faixas salariais mais baixas. Estudo do pesquisador Bruno Ottoni, da Consultoria IDados, mostra que, entre os trabalhadores que ganham até um salário mínimo , 11% têm nível superior completo ou incompleto.

Leia mais: Aposentados do INSS que ganham acima do mínimo terão reajuste de 4,48%

Nesse universo, 70% são mulheres. São quase dois milhões (1,9 milhão) de profissionais com qualificação recebendo até R$ 998 (piso que vigorou em 2019). Uma situação que se mantém em períodos de crescimento ou de recessão.

A crise econômica pouco mudou essa configuração. Em 2014, melhor momento do mercado de trabalho recente, elas representavam 69,9%. Em 2019, com o país ainda recuperando-se de uma de suas piores recessões, a participação permaneceu em 69,7%.

"As mulheres trabalham menos horas por semana e gastam mais tempo com o trabalho doméstico, e isso ocorre em todas as faixas de renda. Elas também são maioria entre os informais, que ganham menos. Todos esses fatores, de certa maneira, ajudam a explicar o porquê de haver essa maior quantidade de mulheres nesse grupo de trabalhadores qualificados que ganham até um mínimo", afirma Ottoni.


    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários