Tamanho do texto

Valores disponíveis do PIS e do Pasep ainda não sacados somam R$ 22 mi; consultas sobre cotas do fundo PIS/Pasep devem ser feitas na Caixa ou no BB

atendimento FGTS e PIS arrow-options
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
11 milhões de trabalhadores ainda não retiraram sua cota no Fundo do PIS/PASEP já liberado pelo governo

Cerca de 11 milhões de trabalhadores brasileiros têm direito a sacar dinheiro parado no fundo do Programa de Integração Social (PIS) e do Programa de Formação de Patrimônio do Servidor Público (Pasep), juntando o montante de R$ 22 milhões.

Leia também: Até ele: Jair Bolsonaro vai a lotérica e faz "dois joguinhos" na Mega da Virada 

De acordo com as regras antigas do fundo PIS/Pasep , quem tinha cota precisava cumprir requisitos para poder resgatar o dinheiro da conta, mas o governo liberou neste ano o saque total, sem a definição de um prazo limite para pegar o dinheiro.

Tem direito ao saque quem trabalhou com carteira assinada entre 1971 e 1988 e não retirou os recursos até o momento. Quem trabalhou em empresas privadas têm cota no PIS, enquanto quem atuou em órgãos públicos têm direito a cota no Pasep.

Há relação entre as cotas e o abono salarial?

Não. As cotas do fundo PIS/Pasep são diferentes do abono , e o trabalhador que sacar os recursos do fundo não deixa de poder sacar o abono, caso tenha direito.

Desde o início da liberação total dos recursos, somente 800 mil dos 10,4 milhões de trabalhadores que tinham cota no fundo PIS sacaram o dinheiro , segundo a Caixa, administradora do programa.

No Pasep, 97 mil fizeram o resgate das cotas, sendo que ao todo quase 1,5 milhão, de acordo com o Banco do Brasil, administrrador, têm direito. Até agora, foram sacados pouco mais de R$ 1 bilhão do fundo, enquanto a expectativa do governo era que R$ 2 bilhões fossem sacados até o fim de 2019.

Leia também: Dólar recua após Natal, a R$4,05; Bolsa chega aos 116 mil pontos

Se o trabalhador com direito a sacar o recurso do fundo morreu, os herdeiros podem sacar o dinheiro. Para isso, basta ir a qualquer agência da Caixa (empresa privada) ou do Banco do Brasil (servidor público) portando documento oficial de identificação e também o documento que comprove sua condição de herdeiro.