Tamanho do texto

Sergio Leite de Andrade, presidente da siderúrgica, afirma que o setor tem sido prejudicado pela guerra comercial entre EUA e China e que há novos riscos por conta do afastamento entre o Brasil e o resto do mundo; confira

IstoÉ Dinheiro

usiminas arrow-options
Divulgação
Presidente da Usiminas diz acreditar que liberalismo do governo brasileiro pode entrar em choque mundialmente

A abertura da economia brasileira, na contramão do aumento do protecionismo global, está preocupando o presidente da Usiminas, Sergio Leite de Andrade. Ele afirma que a siderurgia brasileira já tem sido prejudicada pela guerra comercial entre Estados Unidos e China, e que a liberalização sem controle pode ser arriscada.

Leia também: Bilionários perdem US$ 388 bilhões no mundo, mas ganham US$ 3 bilhões no Brasil

“O mercado brasileiro de aço defende o liberalismo econômico. Somos contra o protecionismo e buscamos relações comerciais equilibradas e isonômicas, mas não podemos ser liberais num mundo protecionista”, afirma o executivo. “Precisamos agir em consonância com essa realidade e reduzir ou até mesmo eliminar as assimetrias de competitividade que tanto atrapalham a evolução do nosso mercado.”

No ano passado, as importações de aço chinês atingiram 7,3 milhões de toneladas na América Latina, puxadas pelos preços bem abaixo da média do mercado brasileiro. Para este ano, as projeções são de um crescimento de 4,2% nesse total. Das 66 ações antidumping ou de salvaguardas existentes atualmente no setor do aço na América Latina, 42 são contra a China.

Leia também: Servidores na mira e Estado enxuto: entenda o novo pacote do governo

Essas questões serão apresentadas e debatidas pelo presidente da Usiminas no Congresso Latino-Americano do Aço, entre 11 e 13 de novembro, em Buenos Aires. Realizado pela Associação Latino-Americana do Aço (Alacero), o evento receberá também Gustavo Werneck, CEO da Gerdau, e Jefferson de Paula, CEO da ArcelorMittal Long Carbon Americas. A ideia é buscar uma agenda para o aço brasileiro e latino-americano em meio ao atual cenário global do setor.