Tamanho do texto

Ao lado de Bolsonaro no Fórum de Investimentos Brasil 2019, o ministro da Economia defendeu as reformas, privatizações e a abertura econômica

Paulo Guedes arrow-options
Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Paulo Guedes negou crise no Brasil e disse que País vive 'democracia imatura'

Em discurso a potenciais investidores em evento realizado em São Paulo nesta quinta-feira (10), o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que não há crise no Brasil, mas sim uma "democracia madura" sendo construída.

Leia também: Entenda o que é a cessão onerosa do megaleilão de petróleo do pré-sal

"O que está acontecendo é que a sociedade brasileira está numa trajetória que acreditamos ser uma sociedade aberta com poderes independentes cada um demarcando seu território. Quem olha de fora acha que é uma crise. Não é nada disso. É uma democracia madura trabalhando", afirmou Guedes .

Ele participou, ao lado do presidente Jair Bolsonaro (PSL), da abertura do Fórum de Investimentos Brasil 2019, na capital paulista. Durante a tarde, o capitão reformado terá agenda de reuniões com investidores estrangeiros.

O tom do discurso das autoridades brasileiras na cerimônia foi no sentido de que o país oferece todas as condições para bons negócios com parceiros comerciais.

Guedes destacou medidas do governo como a tramitação da  reforma da Previdência , o leilão do excedente do pré-sal , o plano de privatizações e a abertura econômica.

"Estamos acelerando nossas reformas, privatizações, abertura da economia, choque do petróleo barato, a transformação dos fundos. Vamos entrar agora no marco federativo e na reforma tributária", prometeu o ministro.

Leia também: Privatizar trechos da Petrobras não é desmonte, defende presidente

Guedes também dedicou parte do discurso para tratar da questão política, o que se tornou praxe nos pronunciamentos dele. O ministro repetiu críticas à social-democracia e exaltou os valores dos liberais democratas, defendendo o "liberalismo econômico e político" que o atual governo teria como bandeira. "O Brasil não é mais Saci Pererê. Está caminhando com as duas pernas", assegurou.