Tamanho do texto

"Não devemos ter medo de privatizar", defendeu o tucano, que atribuiu ao presidente da Câmara a condução da reforma da Previdência no Congresso

IstoÉ Dinheiro

Doria e Rodrigo Maia arrow-options
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Doria prometeu "exterminar" as estatais e disse que o Brasil deve muito a Rodrigo Maia

Governador de São Paulo, João Doria dividiu seu discurso em duas claras bases narrativas durante a premiação AS MELHORES DA DINHEIRO 2019. A economia, e a política. Em ambos os temas foi generoso e claro em elogios, e sutil, mas sem se desviar, nas críticas.

Leia também: Mais ou menos Estado: os dois lados da privatização

“Não devemos ter medo de privatizar”, disse, se dirigindo ao secretário especial de Desestatização, Desenvolvimento e Mercados do Ministério da Economia, Salim Mattar , que havia falado anteriormente. “Em São Paulo já estatizamos sete empresas este ano. Vamos exterminar as estatais ”, afirmou.

No campo da política, elogiou abertamente o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia , que havia feito a abertura do evento. “Devemos muito a ele, que conduziu a reforma da Previdência e devolveu ao Congresso o protagonismo na política”, disse. Mas, ao relembrar sua trajetória na corrida ao Palácio dos Bandeirantes, criticou a campanha “suja e sórdida” e adversários do setor empresarial que se alinharam à esquerda na disputa.

Leia também: Planalto quer aprovação da reforma da Previdência em primeiro turno hoje

No campo da economia, citou que em oito meses de governo São Paulo cresceu o dobro do que cresceu a economia brasileira. “Somos um governo liberal e pró mercado.” Doria também falou de segurança pública, ressaltando a menor taxa de homicídios para cada 100 mil habitantes, na casa dos 6,5, a menor do País.