Tamanho do texto

Queda da Selic não ajuda endividados e especialista afirma que cenários em que o consumidor tenha mais recursos é o ideal para renegociar valores

dívida arrow-options
shutterstock
Embora a Selic não tenha resolvido a vida dos endividados, renegociar pode ser uma saída.


Juntando a última queda da taxa básica de juros, a Selic , com as campanhas que alguns bancos vêm fazendo em prol da renegociação de dívidas , parece que o cenário é favorável para os endividados brasileiros . Mas não é bem assim.

André Alírio, economista e operador de renda fixa da Nova Futura Investimentos, explica que para quem não está tão enforcado em dívidas , esse não é exatamente o melhor momento para renegociar ou para se endividar ainda mais.

Para esses casos, o conselho do economista é esperar o spread bancário diminuir mais, ou esperar o próprio consumidor ter condições financeiras melhores para fazer uma renegociação mais interessante para ele. 

Segundo Alírio, na verdade, a queda da taxa Selic influencia muito pouco para o consumidor final e que os juros das dívidas são mais influenciadas por um outro fator: o spread bancário.

O termo faz referência, basicamente, à diferença entre os juros que um banco cobra ao emprestar dinheiro e a taxa que ele paga ao captar dinheiro. É o spread bancário que vai influenciar mais diretamente quanto o consumidor paga nos juros cobrados pelos bancos. 

Leia também: Copom reduz taxa básica de juros, a Selic, para 5,5%, a menor da série histórica

E as quedas da taxa básica de juros acabam influenciando muito pouco na diminuição do spread bancário, já que ele é mantido pela falta de competitividade gerada, sobretudo, pela concentração bancária brasileira (poucos bancos dominando a maior fatia do mercado).

“Essa redução da Selic impacta muito pouco no spread bancário do sistema financeiro de um modo geral. O spread vem reduzindo a um ritmo muito lento com relação ao das reduções da taxa básica de juros”, afirma Alírio. 

Quando devo renegociar minhas dividas?

negociação arrow-options
shutterstock
Quando o consumidor está inadimplente ou se envidando para pagar outras dívidas, é hora de renegociar, diz especialista

Apesar do cenário não ser o ideal, para quem está mais endividado e inadimplente , toda hora é hora para tentar uma renegociação junto ao banco.

“Caso você esteja inadimplente, não consiga pagar os compromissos que você tem atualmente, e isso está entrando em um rotativo ou em um atraso mais significativo você, é sempre melhor renegociar sua dívida, independente do momento”, aconselha. 

Leia também: Previsão do crescimento econômico deste ano tem ligeira alta e fica em 0,9%

Já Rodrigo Alexandre, especialista em direito do consumidor e representante da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor, a PROTESTE , afirma que quando os bancos abrem feirões de renegociação de dívidas , é um bom momento para os endividados aproveitarem.

“Nesses feirões, os bancos estão mais propensos a fazer uma renegociação, e se o banco está disposto, já é meio caminho andado", aponta Rodrigo Alexandre. 

O especialista da Proteste ainda lembra, que “o banco não é obrigado a renegociar dívida, não existe determinação legal que o obrigue a renegociar”, o que faz do feirão uma oportunidade ainda mais interessante. 

Os especialistas dão dicas de como aproveitar melhor os feirões de renegociação de dívidas nesta matéria