Tamanho do texto

Presidente ressaltou que só tomará decisão quando receber proposta

homem em frente ao logotipo da petrobras arrow-options
Reprodução
A iniciativa, no entanto, encontra resistência no Ministério de Minas e Energia, ao qual a petroleira está vinculada

BRASÍLIA — O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira que "estuda privatizar qualquer coisa no Brasil", incluindo a Petrobras. Bolsonaro ressaltou, no entanto, que só tomará uma decisão em relação à estatal quando uma proposta for apresentada a ele.

Leia mais: Bolsonaro confirma plano de privatização dos Correios

— Vamos ver a proposta que vai ser apresentada para mim. Vamos ver a proposta que vai chegar até mim, daí eu falo. Paulo Guedes não mostrou ainda — disse Bolsonaro, na saída do Palácio da Alvorada.

Questionado se não descarta, então, a venda da Petrobras, Bolsonaro afirmou que o governo "estuda tudo":

— Estuda tudo. Tudo o governo estuda. Precisamos nos preparar para qualquer coisa. Estuda privatizar qualquer coisa no Brasil. Tudo é estudado, tudo é levantado, tudo é discutido. Você vai ter que analisar custo benefício, o que é bom para o Brasil e o que não é.

Na quarta-feira, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse que o governo realizará estudos objetivos para analisar a possibilidade de privatização da empresa. A ideia tem o apoio do ministro da Economia, Paulo Guedes, e do presidente da estatal, Roberto Castello Branco.

A iniciativa, no entanto, encontra resistência no Ministério de Minas e Energia, ao qual a petroleira está vinculada.

Nesta quinta, Bolsonaro reclamou do preço do combustível, dizendo que está sendo diminuído na refinaria, mas que isso não chega para a população:

— Quero saber por que diminui o preço na refinaria, que está diminuindo, e na bomba não diminui. O que tem que fazer para esse preço chegar na ponta. Está havendo cartel, não está, não sei. Não posso acusar sem ter mais informações. Mas é uma realidade. Não tem diminuído o preço na ponta.

O presidente negou, contudo, que isso seja uma interferência na empresa:

— Em nenhum momento eu falei "abaixa o preço, aqui, lá acolá". É uma coisa que o povo todo, nas minhas redes sociais, tem reclamado.