Tamanho do texto

Pensão por morte, aposentadorias e BPC serão focos das buscas por fraudes; governo estima que até 16% dos benefícios analisados são irregulares

Previdência Social arrow-options
Agência Brasil
Pente-fino do INSS mira três milhões de benefícios com possíveis irregularidades

O INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) realiza, a partir de agosto, um projeto de combate à fraudes no sistema de aposentadorias e pensões no Brasil, conhecido como pente-fino, mirando três milhões de benefícios com possíveis irregularidades.

Leia também: Entenda o que muda nas regras do INSS após a aprovação da MP do pente-fino

Com duração de um ano e meio, o pente-fino do INSS vai buscar benefícios com indícios de irregularidades, como acúmulo indevido, pagos após a morte do beneficiário e obtidos de forma criminosa com documentos falsos.

Entre os benefícios que serão analisados estão pensão por morte, aposentadorias e o Benefício de Prestação Continuada ( BPC ), um salário mínimo pago a deficientes físicos e idosos de baixa renda.

Segundo a estimativa do governo, 16% dos três milhões de benefícios que serão analisados têm alguma irregularidade e devem ser cortados. A meta é economizar cerca de R$ 10 bilhões em um ano.

Beneficiários do INSS devem estar atentos à notificação que pode chegar pela rede bancária, no caixa eletrônico, escrita no extrato ou pelo correio. Beneficiários notificados precisam reunir informações requisitadas e seguir prazo determinado na notificação.

Leia também: Medida Provisória pode deixar aposentadoria de servidores públicos mais difícil

O INSS orienta que quem for chamado para prestar informações e não puder comparecer na data informada faça uma procuração para que outra pessoa de confiança leve toda a documentação. O modelo da procuração está disponível no próprio site do instituto , e pode ser feita de próprio punho pelo segurado. Não há necessidade registro em cartório.