Tamanho do texto

Ministério da Agricultura aprovou nesta semana o registro de 42 defensivos agrícolas, incluindo produtos de empresas como Dow Agrosciences e Bayer

IstoÉ Dinheiro

agrotóxico
Fernando Frazão/Agência Brasil
Ministério da Agricultura aprovou o registro de 42 agrotóxicos, incluindo produtos da Dow Agrosciences e da Bayer

O ritmo de liberação de pesticidas nas lavouras brasileiras já é o maior da história. Na segunda-feira (24), o Ministério da Agricultura aprovou o registro de 42 defensivos agrícolas, incluindo produtos de empresas como Dow Agrosciences, Bayer e Syngenta, que aguardavam liberação há quatro anos. As aprovações foram publicadas no Diário Oficial da União pelo Departamento de Sanidade Vegetal e Insumos Agrícolas da Secretaria de Defesa Agropecuária.

Leia também: Governo Bolsonaro já aprovou a entrada de 169 novos agrotóxicos no País

Uma das novidades entre as liberações é o produto técnico Rinksor, da Dow, à base de Florpirauxifen-benzil, que é voltado para combater a infestação de plantas daninhas . É o primeiro novo ingrediente ativo aprovado em 2019. Outros 29 produtos autorizados são genéricos de princípios ativos já autorizados no País.

Temendo represálias comerciais aos produtos brasileiros, a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), encabeçada pelo deputado Alceu Moreira (MDB), entregou ao ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, um manifesto pelo desmatamento ilegal zero. No início do mês, uma rede varejista sueca anunciou que boicotaria produtos brasileiros por conta da liberação excessiva de pesticidas neste ano.