Tamanho do texto

Após o ministro cancelar ida a audiência na CCJ no dia 26 de março, alegando que preferia comparecer após a escolha do relator da proposta, o chefe da Economia vai à Câmara e debate com os parlamentares sobre a Previdência

Ministro Educação Paulo Guedes
Marcos Corrêa/PR
Ministro da Economia, Paulo Guedes irá à Câmara para audiência pública nesta quarta-feira

O ministro da Economia, Paulo Guedes, participa neste momento de debate na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara para debater a Proposta de Emenda à Constituição da reforma da Previdência (PEC 6/2019). Segundo o presidente da comissão,  deputado Felipe Francischini (PSL-PR), a audiência pública deve ser longa, mas “proveitosa”.

Leia também: Parlamentares decidirão o que fica ou sai da PEC da Previdência, diz secretário

Os parlamentares, que atacaram o ministro, querem que sejam esclarecidos pontos da reforma previdenciária dos trabalhadores civis, a alteração do regime previdenciário dos militares e a reestruturação da carreira das Forças Armadas, e irão questionar pontos do texto a Paulo Guedes . Durante discussão na CCJ, oposicionistas atacaram o ministro com gritos de "Chile", país cujo sistema previdenciário, que é de capitalização, vive crise. Guedes rebateu, dizendo que "é a Venezuela que está bem". O presidente da comissão cobrou decoro das duas partes, interrompendo os gritos.

Assista a participação de Guedes na CCJ ao vivo:


Inicialmente, a audiência com Guedes estava marcada para 26 de março, mas o ministro cancelou a ida, alegando que preferiria comparecer depois que a comissão escolhesse o relator da proposta.

Na última terça-feira, o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, afirmou que o governo vai continuar a defender a proposta integral de reforma da Previdência, mas as novas regras de aposentadoria rural e do Benefício de Prestação Continuada (BPC) poderão ser suprimidas se a maioria dos parlamentares decidir.

Leia também: CCJ não deve modificar reforma da Previdência, diz presidente da comissão

Líderes partidários acertaram que a proposta de retirar do texto da reforma da Previdência as mudanças nas regras do Benefício de Prestação Continuada (BPC), da aposentadoria rural e a desconstitucionalização (com rebaixamento para lei complementar) das regras previdenciárias deve ser discutida na comissão especial que vai analisar o mérito do texto.

Paulo Guedes voltou a atacar o atual modelo previdenciário, declarando que "Eu não vejo com olhar tão doce e gentil o sistema previdenciário atual, pois ele é perverso", mas relembrou que a capitalização, o diferencial da nova Previdência, só pode ser implementada com uma reforma que promova economia de R$ 1 trilhão em 10 anos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.