Tamanho do texto

A jornalistas de Israel, o presidente afirmou que a proposta não é do governo, e sim "do Brasil", e que acredita na aprovação do texto até junho deste ano

undefined
Alan Santos/Presidência da República
"É uma proposta do Brasil. A Previdência está realmente deficitária e temos que fazer essa reforma", defendeu Bolsonaro

Ainda em viagem oficial a Israel, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou nesta segunda-feira (1º) que espera que a proposta de reforma da Previdência não seja "muito desidratada" no Congresso e que seja aprovada até junho deste ano. A declaração foi feita em Jerusalém, durante uma entrevista a jornalistas.

Leia também: Novas regras do INSS restringem empréstimos a novos aposentados

"Eu acredito que sim [dá para aprovar até junho]. Nós mandamos uma proposta, não é uma proposta minha nem do governo. É do Brasil. Nós não temos outra alternativa. Chegou nesse ponto, a Previdência está realmente deficitária e temos que fazer essa reforma. Espero que o Congresso aprove sem que ela seja muito desidratada", disse o presidente após ser questionado sobre o assunto.

Bolsonaro ainda afirmou que, no que depender dele, fará "gestões" junto aos deputados e senadores para aprovar a proposta, mas não vai "se meter" na discussão sobre os pontos do texto. "A decisão está com o parlamento. No que depender de mim, eu farei gestões. Eu conheço mais da metade dos parlamentares, fiquei 28 anos lá, sei como funciona aquilo. Poderia até dar sugestões, mas não quero me meter", declarou.

Apoio declarado

undefined
Wilson Dias/Agência Brasil
O DEM, liderado por Elmar Nascimento, foi um dos 13 partidos que declararam apoio à Previdência na semana passada

Na semana passada, líderes de 13 partidos (PR, SD, PPS, DEM, MDB, PRB, PSD, PTB, PP, PSDB, Patriotas, Pros e Podemos) divulgaram uma nota em apoio à reforma da Previdência , mas impuseram condições. Os parlamentares pediram a exclusão de duas propostas do texto: as mudanças no Benefício de Prestação Continuada (BPC), pago a idosos de baixa renda, e na aposentadoria rural.

Para o líder do DEM, Elmar Nascimento (BA), a retirada desses trechos é fundamental para proteção de pessoas abaixo da linha da pobreza no país. O manifesto, segundo Nascimento, pretende esclarecer à sociedade que o Parlamento preservará os “mais pobres e mais vulneráveis” no texto da reforma da Previdência.

Leia também: Guedes vai à CCJ na quarta; comissão deve votar parecer da Previdência dia 17

“[A retirada desses trechos vai] trazer mais segurança, sobretudo às pessoas mais pobres. Há uma campanha insidiosa, que é feita nas redes sociais, que estamos a deliberar uma reforma que vai atingir as pessoas mais pobres e a gente quer, por meio desse manifesto com os líderes que compõem a maioria na casa, já sinalizar que não faremos nada que retire direitos das pessoas mais pobres, que estão na linha abaixo da pobreza ", reiterou.


*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.