Tamanho do texto

Segundo uma rede varejista do Reino Unido, população teme que o país não chegue a um acordo com a União Europeia para um saída amigável do bloco

Rolos de papel higiênico e analgésicos são alguns dos itens que os britânicos começaram a estocar por medo do Brexit
Ilovetheeu
Rolos de papel higiênico e analgésicos são alguns dos itens que os britânicos começaram a estocar por medo do Brexit

Rolos de papel higiênico e analgésicos são alguns dos produtos que os britânicos começaram a estocar por medo de uma possível saída do Reino Unido da União Europeia – o famoso Brexit – sem acordo. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (13) pela rede varejista Morrisons e publicados pela agência Reuters .

Leia também: União Europeia afirma que Reino Unido pode revogar unilateralmente o Brexit

"Vimos uma elevação considerável [nas vendas] de analgésicos e rolos de papel higiênico" comentou David Potts, executivo-chefe da Morrisons, ao anunciar o desempenho da empresa no último ano. Potts ainda acrescentou que a rede de supermercados, a quarta maior do Reino Unido, está preparada para essa grande demanda "aconteça o que acontecer no processo do Brexit ". 

Nos 12 meses encerrados em fevereiro, a Morrisons registrou um aumento de 9% no lucro (desconsiderando os impostos) em relação ao período anterior, chegando a um resultado positivo de 406 milhões de libras (cerca de R$ 2,052 bilhões). A companhia, que aparece atrás apenas da Tesco, da Sainsbury's e do Walmart em vendas anuais, teve aumento de 2,7% na receita total, que ficou em 17,7 bilhões de libras (quase R$ 86 bilhões).

Prazo apertado

Ontem (12), o acordo do Brexit proposto pela primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, foi novamente rejeitado
Reprodução/UK Parliament
Ontem (12), o acordo do Brexit proposto pela primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, foi novamente rejeitado

O acordo do Brexit proposto pela primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May , foi novamente rejeitado durante votação no Parlamento na tarde desta terça-feira (12). Dois meses após sofrer derrota histórica , May afirmava ter um projeto “melhorado” e que oferecia garantias “juridicamente vinculativas” em relação à saída do país da União Europeia. No entanto, 391 parlamentares votaram contra o projeto, enquanto 242 votaram a favor.

Leia também: Com prazo apertado, Theresa May vê acordo do Brexit ser rejeitado novamente

O tempo para o debate é curto. A partir de hoje, o Reino Unido tem cerca de duas semanas para fechar um acordo antes que o oaís saia oficialmente do bloco, no dia 29 de março, às 23h do horário local. Após a votação, May anunciou que debateria, nesta quarta-feira, sobre a possibilidade de que o Brexit aconteça sem que os lados cheguem a um acordo.

A rejeição aconteceu após May e o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, anunciarem ter mudado o ponto de maior fragilidade no projeto e o que mais enfrenta barreiras: o chamado "backstop", princípio que prevê uma fronteira aberta entre a Irlanda do Norte, território britânico, e a República da Irlanda, membro da UE.

O acordo original proposto por Theresa May não expressava de maneira clara se esse livre fluxo entre as fronteiras aconteceria, dizendo apenas que seria mantida uma união aduaneira temporária entre o  Reino Unido  e a UE, enquanto ambos o lados negociariam um acordo de livre-comércio.

Durante o encontro, os dois líderes concordaram que, caso não houvesse uma solução definitiva para a fronteira, os britânicos poderiam abrir uma “disputa formal” contra a UE, enquanto o bloco se comprometeu a encontrar alternativas para a questão até 2020 e proteger o Acordo de Paz realizado em 1998. Segundo Juncker, essa era a última vez que o projeto seria colocado sob votação. “É este acordo ou o Brexit poderia não acontecer”, disse.

Leia também: "Nenhuma solução foi identificada" para resolver o impasse do Brexit, diz UE

Com a nova rejeição, os britânicos passam a temer que o Reino Unido saia do bloco sem conseguir acordar os seus termos. Ou isso, ou a União Europeia deverá oferecer um prazo maior e dar mais tempo para que o Reino Unido resolva seus impasses, antes que o  Brexit  seja colocado em prática.


*Com informações da ANSA

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.