Tamanho do texto

Segundo relatos, animal teria sido espancado e envenenado por segurança da loja; Carrefour nega e diz que morte foi causada pelo Centro de Zoonoses

Cachorro que morreu teria sido envenenado e espancado por um funcionário do Carrefour
Reprodução Twitter
Cachorro que morreu teria sido envenenado e espancado por um funcionário do Carrefour


Ativistas e protetores de animais tem se manifestado nas redes sociais e realizados protestos contra uma unidade da rede de hipermercados Carrefour de Osasco, na Grande São Paulo. Segundo relatos, um funcionário da loja teria envenenado e espancado um cachorro na última quarta-feira (28), causando sua morte.

Leia também: Foto do cachorro de 'Bush pai' deitado ao lado do seu caixão comove a internet

De acordo com a versão de Isabela Marcelino, que fez a denúncia em suas redes sociais, o animal estava pelos arredores da unidade do Carrefour há cerca de uma semana, quando foi espancado por um dos seguranças do local a pedido de um superior.

"O cachorro foi quase morto a pauladas por um segurança da loja a mando de seu superior responsável, só porque pessoas importantes e diretores da matriz da empresa visitariam a loja. Para fazer "bonito", não queriam o cachorro abandonado rodando por lá. Mandaram eliminar o animal como se não fosse nada e da pior forma possível!", escreveu Isabela no Facebook, em um post que já reúne mais de 22 mil compartilhamentos.




Carrefour culpa Centro de Controle de Zoonoses pela morte


O vira-lata chegou a ser socorrido pelo Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), mas não resistiu ao ferimentos e morreu. 

Em nota, o Carrefour afirmou que "repudia qualquer tipo de maus-tratos contra animais" e que afastou a equipe responsável pela segurança. A rede de hipermercados confirmou que o cachorro circulava pelo estacionamento da empresa há alguns dias, alegando que a tentativa de afastar o animal "pode ter ocasionado um ferimento na pata". 

A empresa também disse que o CCZ foi acionado diversas vezes para retirar o animal do local, mas não compareceu, e culpa o Centro pela morte.  "No momento da abordagem dos profissionais do órgão para imobilização, o cachorro desfaleceu em razão do uso de um 'enforcador', tipo de equipamento de contenção", afirma a nota oficial do Carrefour.

Um inquérito foi aberto na Delegacia Especializada de Osasco para investigar o caso. O vereador da cidade, Ralfi Silva, e o delegado Bruno Lima, eleito deputado estadual pelo PSL, acompanham as investigações.

Leia também: Como funciona a participação de animais em produções do cinema e da televisão

No Facebook, Lima repudia o comunicado do Carrefour, afirmando que a loja tenta "jogar toda responsabilidade para a Zoonoses, emitindo um comunicado ridículo, sendo que testemunhas presenciaram e relataram a ação do segurança".  O vereador Silva também defendeu o CCZ , com "repúdio e indignação à nota do Carrefour". Também na rede social, Silva publicou um vídeo do momento em que os profissionais atendem o cachorro machucado "com muito respeito e carinho durante o resgate".

Confira:




A Prefeitura de Osasco informou que o Departamento de Fauna e Bem-Estar Animal foi acionado no dia 28 para prestar socorro a um cachorro " ferido e sangrando", possível vítima de atropelamento.  De acordo com a nota, somente no sábado (1) o departamento recebeu a denúncia de que  " se tratava de um caso de maus tratos". 

Ativistas protestam pela morte do animal


Leia também: Falta de planejamento para ter um pet atinge 60% dos consumidores do País

Além da repercussão do caso nas redes sociais, defensores dos direitos dos animais realizaram, ontem (3), um protesto na unidade do Carrefour que protagonizou a história. Confira:






















    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.