Tamanho do texto

Só 21 dos 88 projetos de privatização de Temer devem ser concretizados neste ano; Eletrobras, Casa da Moeda e outras devem ficar apenas para 2019

Muitas privatizações previstas por Temer não sairão do papel em 2018
Anderson Riedel / PR
Muitas privatizações previstas por Temer não sairão do papel em 2018

Somente 21 dos 88 projetos da ambiciosa agenda de privatizações elaborada durante o governo Michel Temer (MDB) devem sair do papel até o fim deste ano, quando se encerra o mandato do emedebista. As informações são do portal Uol .

Leia também: Governo Temer é ruim ou péssimo para 74%; só 5% aprovam presidente, aponta Ibope

Algumas das privatizações que devem ficar para o ano que vem eram aguardadas com expectativa pelo mercado, casos da Eletrobras, da Casa da Moeda e de 12 aeroportos regionais.

Ainda em 2018, devem entrar nos caixas do governo R$ 46,3 bilhões fruto dos projetos que ainda têm leilão previsto na agenda do governo Temer . Estão neste ról dez lotes de linhas de transmissão de energia, uma concessão rodoviária no sul e outra no centro-oeste.

A concessão do Comando da Aeronáutica (Comaer) por meio de uma PPP (Parceria Público-Privada) e o leilão da Loteria Instantânea Exclusiva (Lotex), marcado para 29 de novembro, tendem a sair do papel e fazer parte dos 21 projetos de privatização efetuados pelo governo federal.

Dentre os 67 projetos que não serão concluídos no ano, a maior parte está nas etapas iniciais para finalizar a venda. O processo de privatização é complexo e exige processos tais como a realização de estudos, consulta pública, avaliação do Tribunal de Contas da União (TCU) e a publicação do edital, antes da realização do leilão. A assinatura do contrato é a última fase do processo, que costuma demandar tempo.

O próximo governo, caso tenha interesse em seguir a agenda de privatizações , terá uma série de projetos prontos para oferecer aos investidores do mercado. Alguns deles dependem de autorização do Congresso para serem leiloados, enquanto outros naturalmente terão leilões programados no decorrer do primeiro ano do novo presidente eleito.

Leia também: O que propõem Fernando Haddad e Jair Bolsonaro para a economia

Privatizações em 2019

Privatizações importantes, como as dos aeroportos regionais, devem ficar para 2019
Governo de SP
Privatizações importantes, como as dos aeroportos regionais, devem ficar para 2019



A Eletrobras, maior empresa de energia elétrica da América Latina, era vista pelo governo Temer como uma das prioridades do pacote anunciado em 2017. No entanto, a resistência enfrentada dificulta a conclusão do processo. Diferentes partidos e congressistas já se uniram e formaram duas frentes parlamentares para manter o controle da estatal. Tanto Fernando Haddad (PT) quanto Jair Bolsonaro (PSL) se mostram contrários.

Os aeroportos de Vitória (ES), Macaé (RJ), Recife (PE), Juazeiro do Norte (CE), Bayeux (PB), Campina Grande (PB), Aracaju (SE), Maceió (AL), Várzea Grande (MT), Rondonópolis (MT), Sinop (MT) e Alta Floresta (MT) estão na mira do governo federal, que pretende privatizá-los e estima R$ 3,5 bilhões em investimentos na infraestrutura desses aeroportos. O projeto não recebeu aval do TCU e o edital para concorrência não foi publicado.

O governo pretende, ainda, vender a participação da Infraero nas concessionárias dos aeroportos de Brasília (DF), Confins (MG), Galeão (RJ) e Guarulhos (SP). A estatal controla 49% do capital de cada uma dessas empresas, e o Tribunal de Contas ainda não se manifestou.

A venda da Casa da Moeda é outro sonho distante do governo Temer. Presente no pacote divulgado no ano passado, ela, até o momento, não está nem na fase de estudos, segundo o site do governo .

A manutenção da agenda de privatizações  está no discurso de Jair Bolsonaro, que  lidera as pesquisas de intenções de voto do segundo turno. Fernando Haddad, em contrapartida, costuma defender as propriedades do Estado e se mostra contrário à maioria das privatizações feitas e propostas pelo governo de Michel Temer.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.