Tamanho do texto

Após passar anos estudando para passar em concursos públicos e se desiludir com órgão público, Lucas Oliveira escolhe caminho do empreendedorismo

Ex-funcionário do Detran se cansa de burocracia e funda empresa que ajuda condutores a recorrer de multas de trânsito injustas
Divulgação/Mister Multas
Ex-funcionário do Detran se cansa de burocracia e funda empresa que ajuda condutores a recorrer de multas de trânsito injustas

Cobrança duplicada, radar mal sinalizado, erro de identificação do condutor são muitos os motivos que levam um condutor desavisado a pagar por uma multa injusta. Como ex-funcionário do Detran (Departamento Estadual de Trânsito) de São Paulo, Lucas Oliveira presenciou isso inúmeras vezes até que, cansado de propor soluções dentro do órgão público sem ser atendido, ele resolveu tomar uma atitude.

Leia também: Empresário vende casa, investe em pizzaria e prevê faturamento de R$ 45 milhões

Engenheiro de formação, ele conta que depois de muito estudar e finalmente passar num concurso público, se desiludiu. "No dia a dia, passei a observar uma série de questões que poderiam ser melhoradas dentro do departamento, levava aos meus superiores, mas sempre havia uma entrave", relata o ex-funcionário do Detran . "Isso me deixava descontente, pois eram coisas simples. Tudo funcionava de maneira muito lenta e isso acabou me desmotivando, pois meu objetivo ali era trazer benefício para a população".

De ex-funcionário do Detran para empresário de sucesso

Um dos sócios, ex-funcionário do Detran teve que vencer resistência dos pais para largar um emprego estável no funcionalismo público e se arriscar no empreendedorismo
Divulgação/Mister Multas
Um dos sócios, ex-funcionário do Detran teve que vencer resistência dos pais para largar um emprego estável no funcionalismo público e se arriscar no empreendedorismo

Sem mudar de objetivo, mas sim de método, Lucas Oliveira se juntou ao sócio Everton Estevam e com um investimento inicial de R$ 20 mil, eles fundaram a Mister Multas , em Tatuí, no interior de São Paulo. A mudança, porém, não foi fácil. Ninguém na família era empreendedor e os pais, maiores incentivadores do concurso público, acharam que era loucura largar um emprego estável para arriscar as próprias economias num negócio incerto.

"Esta cultura não existia na minha família, mas eu sempre quis empreender. Trabalhei em grandes empresas do setor privado, prestei concurso, trabalhei no Detran, porém os livros que li e o vídeos que assisti desde a minha adolescência me inspiraram a ter meu próprio negócio", relata Lucas.

Com tanta perseverança, uma missão clara, um investimento inicial baixo e muito trabalho duro, a empresa logo começou a dar resultados, para alívio dos pais (e deles). "Usamos o dinheiro para comprar as mesas, criar o site, enfim, para estruturar o negócio, mas no começo fazíamos tudo sozinhos. Éramos uma espécie de faz-tudo. Assim, não tomamos empréstimo e o negócio se pagou rápido. Tivemos um faturamento de mais de R$ 30 mil logo no primeiro mês e isso nos ajudou muito", relembrou.

A ideia da fundação, que deu certo, permanece a mesma: motoristas multados que procuram a Mister Multas cadastram seus dados na base da empresa e recebem em menos de uma hora a resposta sobre a possibilidade de reivindicar ou não os pontos e até mesmo a anulação dos valores a serem pagos.

Lucas explica que "o sistema conecta o caso de cada cliente a uma base de dados alimentada por dezenas de especialistas presentes em nossa sede. Em menos de 60 minutos o cliente já tem uma posição sobre o seu caso" tudo de forma gratuita.

Leia também: Hippie torna barraquinha de bijuteria em negócio milionário de joias e semijoias

Nesse relatório, a empresa explica quanto tempo o caso vai demorar para ser resolvido, se existem chances de sucesso, etc. "Só recebemos caso o cliente queira executar o serviço conosco. São quatro faixas de preços que variam de acordo com a complexidade do caso, mas o cliente fica sabendo na hora quanto tudo vai custar do início ao fim, sem supresas", explica Lucas antes de afirmar, orgulhoso, que a taxa de sucesso nas defesas dos clientes bate a marca de 90%.

O empresário também faz questão de ressaltar que tudo é feito dentro da legalidade e lamenta que existam tantas pessoas no mercado que atuam de forma desonesta. "Infelizmente, o mercado está cheio de empresas que prometem a resolução de casos impossíveis, que não estão dentro da lei. E muitas vezes os condutores são enganados", explica antes de completar dizendo que "os motoristas multados injustamente reconhecem isso e indica para muitas pessoas pois eles enxergam, ao longo dos trâmites, que somos transparentes e fazemos as coisas de maneira correta."

Uma decisão difícil e uma nova estratégia de comunicação

Cafú, ex-jogador da seleção brasileira, foi contratado para se tornar embaixador da Mister Multas. Ex-funcionário do Detran, explicou que intenção é passar credibilidade
Divulgação/Mister Multas
Cafú, ex-jogador da seleção brasileira, foi contratado para se tornar embaixador da Mister Multas. Ex-funcionário do Detran, explicou que intenção é passar credibilidade

Dessa forma, a Mister Multas não deu certo apenas no primeiro mês. Lucas revela que no primeiro ano, o faturamento foi de R$ 500 mil, mas para 2018 a projeção de faturamento já é de R$ 10 milhões. Um salto e tanto graças a uma ideia que surgiu de um dos inúmeros clientes satisfeitos: franquear.

"Um dos nosso clientes achou o negócio extremamente organizado e elogiou o atendimento. Ele nos perguntou se éramos uma franquia e até aqueles momento não havíamos pensado no assunto, mas a ideia nos parcer muito boa e decidimos arriscar", explica o outro sócio, Everton.

O segredo do modelo de franquias formulado pelos sócios foi manter a estrutura enxuta e investir forte em tecnologia para que o atendimento continue sendo rápido, transparente de alto nível. Lucas explica que atualmente a Mister Multas conta com dez funcionários e um sistema automatizado que consegue fazer uma leitura completa dos casos dos clientes "o que ajuda a otimizar a mão de obra e o nosso tempo".

Na proposta de franquia, os franqueados atuam apenas como um captador de possíveis clientes, cadastrando os dados dos condutores na base que é analisada na central da empresa.

Dessa forma, a empresa espera crescer rápido. Já são seis unidades franqueadas entre contratos fechados e em operação, mas a expectativa é de atingir 50 até o fim do ano. Para chegar lá, os sócios sabem que vão ter que acelerar e por isso apostaram numa estratégia que não tinham seguido ainda: divulgação.

Leia também: Cansada de ficar "laranja", mineira cria franquia de bronzeamento artificial

"Para divulgar os nossos serviços, utilizamos diversas estratégias de acordo com a região. Fazemos anúncios em outdoors, rádios, TV’s, rede sociais e trouxemos, recentemente, o Cafu, ex-jogador da seleção brasileira, para ser o embaixador da nossa marca. O nosso objetivo é passar credibilidade e transparência para os nossos clientes", encerra o otimista ex-funcionário do Detran .

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.