Tamanho do texto

Trabalhador demitido sem justa-causa entrou na justiça para pedir que seus benefícios fossem calculados considerando o valor que ele recebia "por fora"

Brasil Econômico

Justiça condena empresa por pagar salários de R$ 4 mil
shutterstock
Justiça condena empresa por pagar salários de R$ 4 mil "por fora" para funcionário e investiga eventual sonegação

A Justiça do Trabalho condenou uma empresa de importação e comércio de maquinário em Cuiabá a pagar a um ex- funcionário os direitos trabalhistas referentes ao valor extra de salário que era pago a ele mensalmente "por fora" por mais de um ano, período no qual ele ocupou o cargo de gerente na companhia.

Leia também: Loja pagará R$ 60 mil por manter funcionários atrasados 'de castigo' em estoque

Após ser demitido sem justa-causa, o ex-funcionário foi à justiça para cobrar que a remuneração mensal dele fosse reconhecida como sendo no montante de R$ 6 mil. A divergência acontece porque, em folha, a empresa pagava apenas o salário de R$ 2,5 mil, mas por trabalhar como gerente de peças na seção de vendas, a empresa acrescentava 5% de comissão sobre as vendas realizadas, o que correspondia a valores entre R$ 3,2 mil e R$ 4 mil.

A empresa, porém, se defendeu dizendo que os valores transferidos para a conta bancária do ex-empregado não se referiam a salários e representavam apenas ajudas de custo para fazer frente a despesas como viagens. A companhia também afirmou que nunca pagou salário não-registrado na folha de pagamento, de forma fixa ou comissionada.

Leia também: Faculdade do Grupo Uniesp é condenada por cobrar alunos isentos de mensalidade

O juiz Pedro Ivo Nascimento, da 8ª Vara do Trabalho de Cuiabá, no entanto, acatou o pedido do trabalhador e determinou que o valor de R$ 6 mil fosse utilizado para calcular os valores referentes a férias adquiridas e vencidas, 13º salários, aviso prévio, Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) e sua multa de 40% pela demissão sem justa-causa tendo, portanto, a empresa que pagar a diferença em relação ao acerto feito anteriormente.

Na decisão, além da mudança no valor estabelecido como salário do trabalhador, o juiz também exigiu que a empresa encaminhasse informações à Receita Federal, ao Ministério Público Estadual e ao Ministério Público do Trabalho, além da Procuradoria-Geral Federal para que fosse apurada uma suposta prática de sonegação fiscal e de contribuição previdenciária.

Leia também: Vai assistir jogos da Copa no trabalho? Confira o que você pode e não pode fazer

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas