Tamanho do texto

Mesmo com o anúncio da queda, maio ainda acumula uma alta de 8,6% no preço do combustível; em 28 de abril, o litro da gasolina era de R$ 1,7977

Brasil Econômico

Novo reajuste anunciado pela Petrobras valerá a partir da próxima terça-feira (29)
shutterstock
Novo reajuste anunciado pela Petrobras valerá a partir da próxima terça-feira (29)

Pela quinta vez consecutiva, a Petrobras anuncia redução no preço da gasolina nas refinarias. De acordo com a estatal, a partir desta terça-feira (29), o combustível será vendido por R$ 1,9526 por litro, o que significa uma retração de 2,8% em relação ao valor atual de R$ 2,0096.

Leia também: No 8º dia de greve, falta combustível em oito aeroportos do País, diz Infraero

Vale destacar que, desde o dia 16 de maio, a gasolina não era comercializada por menos do que R$ 2,00. Embora o cenário seja de variação negativa, segundo balanço da Petrobras , o mês ainda acumula uma alta de 8,6%, uma vez que, em 28 de abril, o litro da gasolina nas refinarias não saía por menos de R$ 1,7977.

Óleo diesel

Em relação ao óleo diesel , o presidente  Michel Temer anunciou nesse domingo (27) que o preço do diesel na bomba será de R$ 0,46 por litro. O valor deve ficar congelado por 60 dias.

Temer fez um pronunciamento depois de um dia inteiro de negociações no Palácio do Planalto. A título de comparação, o presidente disse que o desconto equivale a zerar as alíquotas da Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) e do PIS/Cofins (Programa de Integração Social/Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social). 

Os representantes dos caminhoneiros autônomos não aceitaram o congelamento do diesel por apenas 30 dias, como havia sido inicialmente proposto.

Leia também: Hamburgueria usa cavalos para não interromper delivery por falta de combustível

Acordo

Em resposta ao anúncio de Temer, a Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam) confirmou nesta segunda-feira (28) que  assinou o acordo proposto pelo governo Michel Temer para colocar fim a paralisação de caminhoneiros em todo o País.

"A Abcam considera o acordo assinado uma vitória, já que o anterior previa uma redução de apenas 10% por apenas 30 dias. Entretanto, a associação acredita que até dezembro deste ano o governo encontre soluções para que essa redução seja permanente”, informou a associação de caminhoneiros, em nota. 

Leia também: Consumidores registram problemas em nova plataforma para pagamento de boletos

Reajuste anterior

Antes da nova decisão de Temer, na quarta-feira (23), o presidente da Petrobras, Pedro Parente, declarou o congelamento de preço do diesel pelos próximos 15 dias e que, depois, o valor do combustível voltaria a se encaixar gradativamente na política de preço da Petrobras .

*Com informações da Agência Brasil