Tamanho do texto

Movimento liderado pela Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas reduz preço da gasolina para menos de R$ 3 em vários estados. Entenda

Preço da gasolina dispara por conta da greve dos caminhoneiros, mas CNDL mantém protesto e vende combustível por menos de R$ 3
Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas
Preço da gasolina dispara por conta da greve dos caminhoneiros, mas CNDL mantém protesto e vende combustível por menos de R$ 3

A greve dos caminhoneiros chega ao quarto dia consecutivo nesta quinta-feira (24) e os efeitos do desabastecimento começam a ser sentido com cada vez mais força nas cidades brasileiras. Protestando contra o preço do combustível , é justamente na bomba de gasolina que os consumidores têm sentido o impacto com mais clareza. Com pouca oferta e muita demanda, o preço do litro dos combustíveis disparou.

Leia também: Litro da gasolina chega a R$ 10 na madrugada desta quinta no Distrito Federal

Mas um outro protesto agendado para essa quinta-feira fez com que alguns comerciantes tomassem direção contrária e passassem a vender a gasolina por menos de R$ 3, o litro. Isso porque a Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) promove anualmente o " Dia da Liberade de Impostos " onde os estabelecimentos que aderam à campanha deixam de repassar os impostos que pagam aos consumidores e chegam a oferecer descontos de até 70% dependendo do produto.

Como esse ano a data caiu justamente em meio à greve que fez o preço do combustível disparar, o protesto ganhou ainda mais visibilidade já que representou uma oportunidade e tanto para os motoristas economizarem.

Na cidade de Montes Claros, em Minas Gerais, por exemplo, um posto vende o litro de gasolina por R$ 2,10, um desconto de mais de 50% em relação ao preso normal. Não muito longe dali, em Belo Horizonte, um outro posto está cobrando R$ 2,28 por litro. Já em Varginha, também em Minas, o preço da gasolina está R$ 2,34.

A oportunidade era limitada aos primeiros 120 automóveis e 65 motocicletas que chegassem ao posto. Além disso, era preciso pagar em dinheiro e respeitar um limite de 25 litros por veículo. Mesmo assim, longas filas se formaram ainda de madrugada nos respectivos postos.

O protesto, porém, é de abrangência nacional, por isso em Natal, Rio Grande do Norte, o preço do combustível também despencou. Num posto que vendia o litro por R$ 4,59 ontem, o valor cobrado hoje é R$ 2,60. Já no Distrito Federal, onde um posto vendeu gasolina por R$ 9,99 nesta madrugada , um outro posto vendeu o mesmo produto por R$ 2,98.

Enquanto alguns postos estão vendendo gasolina por R$ 10, outros estão vendendo por menos de R$ 3
Marcello Casal Jr/Agência Brasil
Enquanto alguns postos estão vendendo gasolina por R$ 10, outros estão vendendo por menos de R$ 3

Leia também: Preço da gasolina está abusivo? Procon-SP explica como realizar denúncias online

Efeitos opostos, mesmo objetivo

Apesar dos efeitos contrários no valor dos produtos nesse primeiro momento, o objetivo das manifestações tanto dos caminhoneiros quanto dos lojistas é o mesmo: conscientizar o consumidor sobre os altos impostos cobrados pelo governo sobre os protudos e exigir uma redução e uma simplificação na cobrança desses tributos.

“Além de proporcionar aos consumidores a aquisição de produtos mais baratos, a campanha estimula a conscientização sobre a complexidade e o peso da carga tributária brasileira, sem retorno à altura em saúde, educação, segurança e transporte para a população”, explica Lucas Pitta, coordenador nacional da CNDL Jovem.

Enquanto a manifestação dos caminhoneiros já atinge 25 estados e o Distrito Federal e, por enquanto, conta com grande apoio da população, a CNDL informou que estabelecimentos do Amapá, Bahia, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Roraima, Paraíba, Goiás, Amazonas, Pernambuco, Ceará, São Paulo, Espírito Santo, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e Mato Grosso, além do Distrito Federal, também aderiram ao movimento. 

O tamanho da repercussão, obrigou o governo a tomar medidas. Além de anunciar uma redução pontual no valor dos combustível , o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, anunciou que numa reunião marcada para as 14h desta quinta-feira, o governo espera negociar "uma trégua para que, daí sim, as outras reivindicações, que são muitas, possam ser analisadas com mais tempo".

Leia também: Petrobras cede a pressão dos caminhoneiros e reduz preço do diesel por 15 dias

Enquanto isso, se você está num desses estados, é possível que em meio a todo o caso, acabe encontrando também um bom desconto no preço da gasolina e de outros produtos.