Tamanho do texto

Segundo alegações do trabalhador do processo, todos os assaltos foram sob ameaça com arma, o que causou abalos psicológicos e doenças ocupacionais

Motorista conseguiu indenização somente após levar caso ao TST, quando empresa foi considerável responsável
shutterstock
Motorista conseguiu indenização somente após levar caso ao TST, quando empresa foi considerável responsável

Uma viação foi condenada a pagar indenização de R$ 10 mil a um motorista que foi assaltado seis vezes durante o serviço em Aracaju, no Sergipe. De acordo com o trabalhador, todos os casos aconteceram sob ameaça com arma de fogo, resultando em doenças ocupacionais e abalos psicológicos. A decisão foi tomada pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST).

Leia também: Empregadores domésticos têm até esta sexta para pagar guia de março do eSocial

Ao elaborar sua defesa, a viação alegou que a ocorrência de assaltos aos ônibus coletivos é um fato estranho ao transporte em si. Sendo assim, a empresa também seria vítima, assim excluindo sua responsabilidade no caso e a necessidade de indenização

O juiz de primeira instância havia considerado que os assaltos durante o horário de trabalho não seriam suficientes para responsabilizar a viação. Na avaliação do juiz, a profissão não poderia ser considerada como atividade de risco, visto que a atividade econômica da empresa não tem como núcleo a manipulação de dinheiro, mas, sim, o transporte de pessoas.

Leia também: Homem que trabalhava 16 horas por dia sem folgas receberá indenização

Com a decisão contrário, o trabalhador procurou o Tribunal Regional do Trabalho da 20ª Região (SE) para apresentar um recurso. O novo pedido de indenização, no entanto, também foi negado, pois a função exercida pelo motorista foi considerada uma atividade que não exige maiores cuidados relativos à segurança.

Foi só ao levar o caso ao TST que o reclamente recebeu um posicionamento positivo. O ministro Douglas Alencar Rodrigues, relator do caso, considerou que o dono do negócio é responsável pelos riscos que decorrem do exercício de suas atividades. Ele disse também que a Constituição da República garante que o trabalhador possa cumprir suas tarefas com a preservação de sua vida, saúde e integridade, tanto física quanto moral.

Leia também: Cartão de crédito deixa 24% dos usuários com dívidas no rotativo em fevereiro

Além disso, o magistrado ressaltou que os crimes em coletivos vêm apresentando crescimento ao longo dos últimos anos. “Nesse cenário, a situação autoriza a responsabilização objetiva da empregadora, tendo em vista que a atividade se caracteriza como de risco", afirmou na sentença o relator do caso, concedendo a indenização ao motorista.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.