Tamanho do texto

Segundo estudo, inflação deve fechar este ano em 3,6%, o que indica um cenário positivo para a retomada do nível de atividade econômica do País

Estudo do Ipea indica que crescimento do PIB em 2019 será igual ao percentual registrado em 2018
iStock
Estudo do Ipea indica que crescimento do PIB em 2019 será igual ao percentual registrado em 2018

O PIB (Produto Interno Bruto) de 2018 deve crescer 3%, segundo projeções do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). De acordo com a Carta de Conjuntura, divulgada nesta quinta-feira (22), este percentual deve se repetir em 2019.

Leia também: Quando vale a pena contratar alguém para fazer declaração do Imposto de Renda?

Pela avaliação do Grupo de Conjuntura do Ipea, a inflação deve fechar este ano em 3,6%, mesmo com o esperado aumento de preços dos alimentos. Isso indica um cenário positivo para a recuperação do PIB do País.

O principal resultado positivo do primeiro bimestre do ano, segundo os economistas, veio da taxa de inflação. “Apesar da importante contribuição dos alimentos, mesmo com a exclusão desses preços do cálculo do IPCA [Índice Nacional de preços ao Consumidor Amplo, do IBGE), o índice acumulado em 12 meses recuou de 10% para 4,2% entre janeiro de 2016 e fevereiro de 2018”, diz o estudo.

Ainda de acordo com o levantamento do Ipea, a inflação em patamar baixo mostra que há espaço para que a política monetária possa estimular o crescimento sem grandes riscos de escalada de preços. O entendimento é que o resultado em 2018 será explicado principalmente pela expansão do consumo das famílias (estimado em 3,4%) e do investimento (4,5%).

O consumo do governo deve registrar crescimento nulo, enquanto as exportações líquidas de bens e serviços devem contribuir negativamente para o resultado do Produto Interno Bruto, com avanço das importações (7,5%) superior as exportações (6,5%). O crescimento da indústria (3,6%) e dos serviços (2,9%) deve compensar a queda do PIB agropecuário, projetado para 2,2%).

Leia também: Copom reduz Selic pela 12ª vez seguida e juros básicos chegam a 6,5%

Em relação ao Produto Interno Bruto do primeiro trimestre, os economistas do Ipea preveem um crescimento de 1,9% para o PIB do 1º trimestre do ano, em comparação ao mesmo período do ano passado, puxado pelo aumento de 3,4% do consumo das famílias, de 4,3% do investimento agregado, e pelos avanços da indústria, que deverá crescer 2,6% e dos serviços (2,4%).

Já para os trimestres subsequentes, existe a expectativa de um novo impulso ao investimento e de aumento do consumo privado, fazendo com que essas variáveis fechem 2018 com taxas de crescimento acumulado de 4,5% e 3,4%, respectivamente.

Apesar da forte desaceleração no último trimestre de 2017, o consumo deve permanecer para o crescimento econômico em 2018. “A inflação controlada, os juros em queda ao longo de todo ano passado e em níveis inéditos de baixa, a redução do endividamento das famílias como proporção da sua renda, e o comportamento favorável do mercado de trabalho – com o aumento da ocupação e elevação do rendimento médio do trabalho – são fatores que apontam para uma aceleração do crescimento do consumo”, conforme análise do Grupo de Conjuntura.

Leia também: Amazon supera Google e se torna a segunda empresa mais valiosa do mundo

O Indicador Ipea de Vendas do Comércio (varejo ampliado) – prévia do resultado da Pesquisa Mensal do Comércio, do IBGE – apontou um avanço de 5,7% na comparação com fevereiro do ano passado, o que também pode exercer influência no PIB.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas