Tamanho do texto

AirHelp lida com o processo de indenização por voos interrompidos, que podem ser definidos como voos cancelados ou atrasados por mais de 3 horas

AirHelp afirma já ter auxiliado mais de cinco milhões de pessoas no processo de compensação por voo interrompido
Reprodução
AirHelp afirma já ter auxiliado mais de cinco milhões de pessoas no processo de compensação por voo interrompido

É muito comum que companhias aéreas cancelem ou atrasem voos e, com isso, frustrem centenas de passageiros. O que muitas pessoas não sabem é que é possível conseguir até R$ 2,4 mil como indenização nestes casos. Para auxiliar no processo e facilitar o recebimento deste dinheiro, a AirHelp, empresa especializada em indenização por voos interrompidos , acaba de lançar seus serviços no Brasil.

Leia também: Após usar R$ 1 bi com intervenção no Rio, governo tira mais R$ 2 bi do Orçamento

De acordo com as regras vigentes, cerca de 13 milhões de passageiros em todo o mundo têm direito a serem compensados pelas companhias aéreas por interrupção em voos. A interrupção de um voo é definida como um voo overbooked, cancelado ou atrasado por mais de 3 horas. Para os brasileiros, isso vale para todos os voos de companhias europeias que saem do Brasil e aterrissam na União Europeia ou partem dos aeroportos da União Europeia e pousam no Brasil.

Apesar da possibilidade de ganhar indenização, apenas metade dos passageiros elegíveis no Brasil entram com um pedido de compensação. Com cada ação valendo até R$ 2,4 mil, isso equivale a mais de R$ 20 bilhões em reembolso que anualmente deixam de ser restituídos em todo o mundo.

É possível que boa parte das pessoas que não entram com processo desconheçam o direito de receberem indenização, mas alguns deixar de fazer o pedido de compensação por considerarem um trâmite complexo e demorado. O trabalho da AirHelp é lidar com este processo em nome dos passageiros, livrando-o do estresse desse procedimento.

A empresa acredita que o serviço será bem recebido no Brasil, visto que 66% dos passageiros brasileiros disseram recentemente em uma pesquisa que sentem que as companhias aéreas não fornecem informações suficientes sobre seus direitos.

Leia também: PIB deve ter crescimento de 3% em 2018, indica Ipea

Segundo estimativas da AirHelp, desde 2015, mais de 66 mil brasileiros teriam direito legal à compensação com base na legislação EC261. Dessa forma, mais de R$ 80 milhões em reembolso não foram ressarcidos no Brasil nos últimos três anos, já que nem todos que entraram com pedido de compensação por conta própria receberam a compensação total.

De acordo com informações divulgadas pela empresa, mais de cinco milhões de pessoas já foram auxiliadas pela companhia no processamento de pedidos de indenização, chegando ao valor total de R$ 1,2 bilhão.

“Sabemos que os brasileiros estão viajando mais do que nunca e que muitos deles sofrem com interrupções de voo”, afirmou Denis Da Silva, representante da AirHelp no Brasil. “Sabemos como eles se sentem e sabemos que as companhias estão aproveitando a complexidade da lei e o processo exaustivo de reivindicar uma indenização. É por isso que ajudamos os passageiros em todo o mundo a obter a compensação que legalmente merecem, mantendo sempre o nosso modelo de negócio de não cobrar nada por nosso serviço caso o passageiro não seja compensado”, completou.

Leia também: Cliente empurra empregado do McDonald’s em frigideira após lanche vir errado

Recentemente, a empresa lançou o AirHelp app com a função "Boarding Pass Scanner". Dessa forma, os passageiros podem verificar sua elegibilidade para compensação diretamente no aeroporto e abrir uma reivindicação instantaneamente. Para isso, ele só precisa baixar o aplicativo e tirar uma foto do cartão de embarque para saber imediatamente se você tem direito a uma indenização das companhias aéreas. O aplicativo está disponível gratuitamente para Android e iOS.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.