Tamanho do texto

De acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, país acumula 83,5 mil vagas de emprego criadas nos últimos doze meses

Brasil Econômico

Salário médio de quem foi contratado para uma vaga de trabalho em janeiro foi de R$ 1.535, segundo o levantamento
shutterstock
Salário médio de quem foi contratado para uma vaga de trabalho em janeiro foi de R$ 1.535, segundo o levantamento

O Brasil criou 77.822 novos postos formais de trabalho, de acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado nesta sexta-feira (2) pelo Ministério do Trabalho. O resultado é o melhor de janeiro desde 2012 e indica a primeira vez desde 2014 que as contratações superaram as demissões neste período do ano.

Leia também: Confira 5 concursos públicos que oferecem sálarios acima de R$ 10 mil

O saldo é resultado de cerca de 1,284 milhão de admissões e 1,206 demissões. Quando o acumulado para os últimos 12 meses é levado em consideração, foram criadas 83,5 mil postos com carteira de trabalho . Referente aos dozes meses entre janeiro e dezembro de 2017, o último balanço acumulado indicava o fechamento de 20,8 mil vagas de trabalho.

Leia também: Última homologação no STF sobre planos econômicos beneficia 1 milhão de ações

De acordo com a publicação, o salário médio daqueles que foram demitidos em janeiro deste ano, descontada a inflação, foi de R$ 1.636,41. Já o salário médio daqueles que foram admitidos foi menor: R$ 1.535,51. Os salários de admissão mais elevados foram observados na região Sudeste, com R$ 1.659,16. Por outro lado, a região Nordeste teve os menores salários: R$ 1.234,45.

Setores e estados

Ainda de acordo o levantamento, em janeiro, a indústria de transformação liderou a geração de empregos, com 49,5 mil novos postos de trabalho. O setor é seguido pelos serviços, que registraram 46,5 mil novos postos. Na agropecuária, foram criados 15,6 mil postos; na construção civil, cerca de 15 mil; e em serviços industriais de utilidade pública, 1,1 mil postos.

Na outra ponta, o comércio registrou o maior fechamento de postos, com 48,7 mill vagas de trabalho a menos. Na adminsitração pública, foram fechadas 802 vagas e, em extrativa mineral, 351.

Leia também: INSS começa segunda etapa de revisão de benefícios e convocará 522 mil pessoas

Nos estados, São Paulo liderou as contratações, com mais de 20,3 mil novos vagas de emprego. O estado foi seguido por Rio Grande do Sul (17,8 mil), Santa Catarina (17,3 mil) e Paraná (11,6 mil). Ao mesmo tempo, o Rio de Janeiro foi o estado com mais postos fechados, com a demissão de 98,4 mil pessoas e contratação de 88,6 mil, terminando o mês com 9,8 mil postos fechados.

* Com informações da Agência Brasil.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.