Tamanho do texto

Uma nova retração intensa aconteceu com o índice Dow Jones, que fechou o dia com queda de 4,15%; Na segunda-feira, o indicador obteve queda de 4,6%

Brasil Econômico

Tensão no mercado financeiro dos EUA também trouxe efeitos no índice Ibovespa; confira
iStock
Tensão no mercado financeiro dos EUA também trouxe efeitos no índice Ibovespa; confira

Mais um dia difícil para o mercado financeiro internacional na quinta-feira (8). Além da queda da bolsa em Nova York, o dólar americano fechou no maior valor desde o fim de dezembro de 2017, com a cotação de R$ 3,281, resultado da alta de 0,12%. No fim do ano passado, a cotação ficou em R$ 3,314.

Leia também: Novo "flash crash"? Wall Street afunda e 'contamina' bolsas da Europa e Ásia

Segundo os registros, o dólar americano ultrapassou a barreira de R$ 3,30 ao longo do dia, mas o mercado financeiro notou que o valor começou a sofrer desaceleração depois das 16h. Essa foi a segunda alta seguida da divisa.

Ainda ontem, uma nova retração intensa aconteceu com o índice Dow Jones, que fechou o dia com queda de 4,15%. Vale destacar que, embora o recuo tenha sido significativo, não foi superior ao de segunda-feira (5), quando o indicador registrou a queda de 4,6%, a maior retração diária em termos percentuais desde 2011.

A tensão no mercado financeiro dos EUA também trouxe efeitos no índice Ibovespa, da Bolsa de Valores de São Paulo, que encerrou o dia com queda de 1,49%, aos 81.532 pontos. Nos últimos dois dias, o indicador acumula queda de 2,8%.

Leia também: Do ápice à queda: depois de bater US$ 20 mil, bitcoin fica abaixo dos US$ 6 mil

Por que os índices estão caindo?

Estatísticas dos Estados Unidos estão mostrando que a criação de emprego e de salários superaram as expectativas. Por isso, existe o receio de que ocorra pressões inflacionárias na economia do país. Vale lembrar que, em se tratando de economia, a questão sempre apresenta os dois lados. 

Ok, mas por que isso seria, em alguma medida, ruim para os investidores da bolsa de valores dos Estados Unidos? É o seguinte: com mais dinheiro nas mãos da população (com mais emprego e maiores salários), existe a possibilidade do Federal Reserve (Fed) – sistema de bancos centrais dos EUA – e do Banco Central norte-americano aumentarem os juros básicos, com a finalidade de esfriar a demanda. Afinal, com poder maior de compra , as pessoas tendem... a comprar mais, certo? E os juros básicos (que aqui no Brasil chamamos Selic) são a maneira de regular a inflação. 

O problema é que, com a possibilidade de aumentar os juros básicos da economia, os investidores do mercado financeiro se sentem instigados a vender suas ações na bolsa de valores, de empresas privadas, para comprar títulos do Tesouro norte-americano, já que elas têm um rendimento baseado na taxa de juros. Lembrando que os títulos do Tesouro dos Estados Unidos são considerados os papéis mais seguros do planeta. Portanto, a volatilidade do mercado americano pode ser interpretado como reação às notícias econômicas positivas, porém mais robustas que o esperado, o que gera perda de confiança. 

Leia também: Temer diz que seu governo ajudou o Brasil a retomar o rumo do crescimento

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.