Tamanho do texto

Italiano perdeu economias que tinha ganho como indenização por acidente de trabalho; homem ainda precisará ficar mais 15 anos afastado do emprego

Sede central do Veneto Banca que foi invadida por homem que perdeu dinheiro em ações fica na cidade de Montebelluna
Reprodução/Twitter
Sede central do Veneto Banca que foi invadida por homem que perdeu dinheiro em ações fica na cidade de Montebelluna

Quem faz investimentos mais arriscados, como as ações, com certeza fica chateado quando os resultados não saem como o esperado. O problema está apenas na forma em que algumas pessoas demonstram essa chateação. Uma caso ocorrido na última semana em território italiano foi "um pouco" além dos limites.

Leia também: Aplicativo te dá a chance de conseguir emprego enviando áudio para empresa

No último dia 24, véspera de Natal, um cidadão de 59 anos da Itália notou que havia perdido € 100 mil tinha investido em ações . Revoltado com a situação, o homem decidiu mostrar sua raiva de forma inusitada (e perigosa): ele invadiu com o carro a sede central do banco Veneto Banca, na cidade de Motebelluna. 

Uma das principais razões pela fúria do homem foi ter perdido todas as economias que tinha. Impedido de atuar profissionalmente por conta de um acidente no ambiente de trabalho, ele tinha recebido os  € 100 mil de uma indenização paga pelo seguro. Ao ver as ações em colapso, o homem se revoltou com a situação e tomou a decisão drástica. 

Leia também: Saiba como ganhar dinheiro e produtos de graça fazendo compras com o cashback

Apesar do risco que assumiu, o italiano não ficou ferido durante a invasão ao banco . Autoridades locais como a polícia municipal e a defesa civil interviram prontamente quando foram avisadas do ocorrido. Segundo informações da imprensa local, o homem continuará afastado de suas funções profissionais por mais 15 anos. 

Casos curiosos no Brasil

Assim como houve o entrave entre o Veneto Banca e o homem na Itália, o Brasil também tem seus casos curiosos envolvendo empresas e consumidores. Nesta semana, a Vivo foi condenada a pagar indenização de R$ 15 mil por ter enviado uma fatura a um cliente com a expressão "fraudador" antes de seu nome. A decisão foi aplicada pela 12ª câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP), que negou o recurso da empresa.

Leia também: Donos das maiores fortunas do mundo ficam R$ 3,3 trilhões mais ricos em 2017

Segundo o consumidor, a situação lhe causou constragimentos, enquadrando o caso como danos morais. Em sua defesa, a Vivo alegou que foi algo isolado – por ter sido uma única fatura – e que a carta era pessoal e endereçada ao cliente, fazendo com que qualquer tipo de repercussão e divulgação tivesse acontecido por culpa dele próprio. A resolução, pelo menos, não foi tão drástica quanto a do homem que perdeu dinheiro em ações na Itália. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.