Tamanho do texto

O Natal é uma data de intenso consumo, mas pode ser uma ótima oportunidade para mudanças: aprenda a educar crianças financeiramente, com métodos criativos que potencializam a interatividade entre pais e filhos

Psicóloga afirma que consumismo infantil pode ser gerado por mau exemplo dos pais
shutterstock
Psicóloga afirma que consumismo infantil pode ser gerado por mau exemplo dos pais

Você se endividaria para fazer a vontade do seu filho neste Natal ? Uma pesquisa elaborada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) mostra que parte dos brasileiros diz que sim. Segundo o levantamento, 11% dos pais deixarão de pagar alguma conta para presentear os filhos por medo de que eles se frustrem ou fiquem tristes por não ganhar o que pediram. O resultado evidencia uma negativa que pode afetar não só o orçamento dos adultos, mas também o desenvolvimento dos pequenos: o consumismo infantil.

Leia também: Cerca de 11% dos pais deixarão de pagar contas para presentear filhos no Natal

Assim, proponho uma reflexão: as crianças tendem a se espelhar nas ações dos adultos, em busca de referências comportamentais. Será mesmo que deixar de honrar com obrigações, que podem afetar toda a família, é a melhor forma de demonstrar amor por elas neste Natal ou em qualquer data do ano?

A psicóloga clínica e especialista em psicossomática infantil, Camila Lameira, explica que o consumismo infantil pode ser gerado por influência dos próprios responsáveis, que na maioria dos casos, tentam educar financeiramente essa criança. “O consumismo é um hábito mental que se tornou uma característica marcante na sociedade moderna. As crianças de hoje são mais vulneráveis, e são muito impactadas pelas mídias, sendo estimuladas a consumir de forma inconsequente. O tênis da moda, celulares de última geração, roupas caras. A cultura de massa vem fortalecendo ainda mais esse descontrole”, afirma.

Para Camila, o ideal é que diante dessa realidade preocupante, os pais se encarreguem de explicar aos filhos como funciona a dinâmica do consumo, no qual todos estão inseridos.

Adultos como referência

Os pais ou responsáveis são referências comportamentais para os pequenos. Como não associam as marcas de maneira direta, é dever dos adultos informá-los para que não tenham um entendimento distorcido, que possa acarretar problemas futuros. Afinal, influências externas são "bombardeadas" o tempo todo na cabeça das crianças. Um exemplo disso é a ideia de aceitação no grupo e o medo de exclusão, o que leva ao desejo de possuir adereços apresentados por amigos e colegas de escola, segundo aponta a psicóloga.  E por tudo isso o diálogo se torna ainda mais importante.

E é nesse contexto que o pensamento de “vou dar para o meu filho o que eu não tive” pode ser algo nocivo também, apesar de, a princípio, vir de um desejo positivo. Lembre-se de que suprir uma falta que não foi sentida por essa criança pode trazer danos que poderiam ser evitados. Camila aponta que a criança não precisa que o pai ou a mãe deixe de pagar uma conta para presenteá-la, pois podem ser encontradas alternativas viáveis para o bolso, além de métodos dinâmicos de inseri-la à realidade econômica da família.

“Um dos meios de se trabalhar a educação financeira da criança é comprando um cofre e incentivando-a a guardar seu dinheiro ao longo do ano. Você pode estimulá-la, sugerindo um passeio que será pago com aquela quantia que juntou, por exemplo. Trabalhar as questões do 'ter' e do 'poder' é um ponto essencial para o equilíbrio financeiro", elucida a psicóloga.

"E se faz necessário que as crianças tenham um exemplo, não adianta querer que seu filho tenha essa noção se você mostra o contrário”, completa.

Publicidade infantil

De acordo com a publicação Caderno Legislativo “Publicidade Infantil”, do projeto Criança e Consumo do Instituto Alana, a publicidade feita para o público infantil no País já pode ser considerada ilegal, mesmo sem a existência de uma norma específica que trate do tema.

Vale lembrar que a interpretação da Constituição Federal, do Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/1990), da Convenção das Nações Unidas sobre as Crianças (Decreto no 99.710/1990), do Código de Defesa do Consumidor (Lei nº 8.078/1990) e da Resolução nº 163, de 13 de março de 2014, do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda), protege as crianças, abordando as regras sobre o que é a publicidade infantil e quais elementos a caracterizam.

Para a coordenadora do programa Criança e Consumo, do Instituto Alana, Ekaterine Karageorgiadis, a publicidade abusiva deve ser pautada com as crianças, levantando as reais motivações comerciais das empresas. Diminuir o tempo assistindo à televisão ou navegando na internet também pode ajudar a reduzir o assédio das marcas. E é algo bastante desafiador, uma vez que a publicidade online, por exemplo, pode aparecer "em forma" de aplicativos, sites e até mesmo canais de youtubers mirins, o que tem gerado vantagens para empresas que passam a enviar seus produtos aos apresentadores, influenciando seu público, formado majoritariamente por crianças.  

A coordenadora alerta que é possível cobrar das companhias o cumprimento da legislação, além de fazer denúncias aos órgãos de Defesa do Consumidor ou ao Criança e Consumo, em caso de identificação de estratégias publicitárias direcionadas às crianças.

Leia também: Educação financeira: veja oito conceitos para ensinar às crianças

A importância do “não”

Pode parecer clichê, mas vale sempre destacar que dizer não é outro fator de relevância no combate ao consumismo infantil, apontado por Ekaterine. Porém, não basta somente negar. É necessário que o não venha acompanhado de uma explicação, para que os pequenos possam entender o real motivo do veto: seja por questões financeiras, pelo excesso de brinquedos já adquiridos, ou inadequação do produto para a idade. O ideal é explicar da melhor forma, levando em consideração a faixa etária da criança.

Consumo não é lazer

Por serem considerados lugares confortáveis e propícios para o lazer familiar, os pais tendem cada vez mais a levar seus filhos para os shoppings. Quem nunca? Mas, a grande quantidade de centros comerciais e a pouca oferta de espaços públicos com segurança que sejam voltados a crianças, tais como parques e ruas de lazer, pode se tornar um grande obstáculo para que os pequenos não associem diversão ao consumo. 

Com isso, o ideal é que a família defina a programação e os objetivos dos passeios em espaços como os shoppings, ou seja, achar algo interessante que possa ser feito nestes estabelecimentos. Caso o intuito seja realmente ir às compras, desenvolva um roteiro prévio: combine com as crianças em quais lojas vocês irão, o que comprarão e o horário de deverão ir embora.

Segundo a coordenadora do Alana, uma coisa a ser instigada na infância é o contato com a natureza. “É importante que haja uma mobilização social para que as crianças não fiquem presas apenas ao ambiente urbano”, alega.

Compartilhamento e interação

Com o orçamento disponível já definido, é fundamental ouvir a criança e saber o que ela deseja para este Natal. Uma opção é incentivá-la a fazer uma lista não muito longa. É válido frisar que presentes não são necessariamente bens matérias, podendo ser uma viagem, um passeio, ou atividades com amigos e familiares.

Segundo Ekaterine, estabelecer limites, envolver a criança nos processos e mostrar de que maneira ela será atendida é um meio de educá-la. Além disso, é legal deixar nítido que a brincadeira é mais importante do que o brinquedo, o que faz toda a diferença no consumo e no aproveitamento. Nesse contexto, os jogos de mesa são boas opções de atividades, uma vez que a diversão poderá ser compartilhada.

Outra dica da especialista aos pais é de para que analisem de onde vem o desejo da criança de consumir tal produto, se foi estimulado por publicidade ou por outro meio. Isso deve ser um elemento central antes de adquiri-lo.

Ademais, este período do ano torna ainda mais urgente o incentivo à doação de brinquedos para outras crianças e, claro, deve vir de mães, pais e responsáveis. O recomendado é se sentar com os pequenos para que possam selecionar juntos alguns itens, explicando as razões da doação, desenvolvendo e estimulando a empatia. Outra ideia, dependendo da idade da criança, é ter uma conversa sobre o processo de produção e o que acontece quando os brinquedos são descartados de maneira inapropriada. Assim, torna-se possível e fácil ensiná-los sobre sustentabilidade. 

Leia também: Matrícula escolar: tudo o que os pais precisam saber para negociar com a escola

Por fim (e não menos importante), aproveite o Natal para fazer diferente: diminua os presentes e aumente a presença. Fazer a comida com as crianças, bem como os próprios presentes, pode ser um momento de troca enriquecedor para elas. Educar as crianças financeiramente, reduzindo o consumismo infantil e eliminando a associação da data com brinquedos comprados e novos também pode ser executado por meio de uma feira, onde os pequenos podem trocar brinquedos e se divertirem juntos. Que tal? 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.