Tamanho do texto

Com a alta registrada em novembro deste ano, o custo nacional do metro quadrado na construção aumentou de R$ 1.059,68, para R$ 1.064,76

Brasil Econômico

O Índice Nacional da Construção Civil ( Sinapi ) apresentou alta de 0,48% em novembro, ficando acima da taxa de 0,16% obtida em outubro. Segundo informações divulgadas nesta sexta-feira (8) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o aumento mensal fez o resultado acumulado para 2017 chegar a 3,64%, na comparação com o mesmo período do ano passado.

Leia também: Receita libera consulta ao último lote de restituições do Imposto de Renda

Em novembro de 2016, o índice ficou em 0,1%. Ainda de acordo com o IBGE , o resultado foi o segundo maior no ano, ficando atrás apenas do 0,58% registrado em julho. Em relação ao acumulado para os últimos 12 meses, houve avanço de 4,15%, superior aos 3,75% dos 12 meses anteriores. Com o acréscimo, o custo nacional do metro quadrado na construção subiu de R$ 1.059,68 para R$ 1.064,76.

Índice Nacional da Construção Civil do IBGE avança 0,32 ponto percentual frente a outubro
Reprodução
Índice Nacional da Construção Civil do IBGE avança 0,32 ponto percentual frente a outubro

Leia também: Suspensão de 31 planos de saúde pela ANS passa a valer nesta sexta-feira

Deste valor, R$ 544,19 dizem respeito aos materiais, enquanto R$ 520,57 são relacionados aos custos de mão de obra. O valor dos materiais de construção registrou alta de 0,67%. Em outubro, a variação foi de 0,2%. Levando em consideração a deflação de 0,06% registrada em novembro de 2016, a alta foi mais expressiva, chegando a 0,73 ponto percentual. No mesmo período, o valor da mão de obra cresceu 0,28%, resultado superior a 0,12% do mês anterior.

Resultado regional

Pelo segundo mês consecutivo, a região Centro-Oeste foi destacada com a maior variação regional, devido principalmente ao aumento na parcela dos materiais nos três estados, além da variação mais acentuada na mão de obra em Mato Grosso. A elevação foi consequência do reajuste salarial de 0,94% decorrente do acordo coletivo da categoria.

Leia também: Como automação e inteligência artificial estão mudando a economia mundial

Outro dado trazido pelo levantamento do IBGE foram os índices positivos em todas as demais regiões: Norte, com 0,34%, Nordeste, com 0,51%, Sudeste, com 0,47% e Sul, com 0,2%. Os custos regionais , por metro quadrado, foram de R$ 1.110,09 no Sudeste, R$ 1.103,97 no Sul, R$ 1.081,84, no Centro-Oeste, R$ 1.066,13, no Norte e de R$ 988,82 na região Nordeste.

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.