Tamanho do texto

Gastos com cartão de crédito, impostos de início de ano e contas básicas de água e luz serão os mais atrasados devido aos presentes para as crianças

Brasil Econômico

A fim de atender aos pedidos dos filhos no Natal com a compra de presentes, alguns pais acabam tomando atitudes extremas e comprometendo o orçamento . É o que mostra uma pesquisa elaborada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). Segundo o levantamento, 11% dos pais consultados admitiram admitiram que vão atrasar alguma conta para que consigam presenteá-los.

Leia também: Gás de cozinha ficará até R$ 2,53 mais caro a partir desta terça-feira

Ao mesmo tempo, 82% afirmaram que não deixarão de pagar contas para satisfazer a vontade dos filhos. Os que admitem deixarão de pagar algumas dívidas apontam a fatua do cartão de crédito (7%), os impostos de início de ano (3%) e as contas básicas de água e luz (2%) como as que poderão esperar mais tempo para serem quitadas. A pesquisa revela, ainda, que 70% daqueles que pretendem dar presentes no Natal possuem filhos.

Pesquisa mostra qu  11% dos pais que pretendem presentear no Natal irão atrasar contas para atender aos desejos dos filhos
Shuttersock
Pesquisa mostra qu 11% dos pais que pretendem presentear no Natal irão atrasar contas para atender aos desejos dos filhos






Leia também: Facebook apresenta versão do Messenger para crianças de até 12 anos

Neste caso, 49% dos pais consultados afirmam que os produtos a serem adquiridos serão definidos por eles. Já em 44% das compras, a escolha será feita em conjunto com as crianças. Em 6% dos casos, os filhos escolherão o presente. Para o educador financeiro do SPC Brasil, José Vignoli, muitos pais e mães acabam extrapolando nos gastos por conta do receio de que os filhos tenham frustrações.

Segundo ele, isso é algo normal e até mesmo desejável. "É fundamental que eles deem presentes que estejam de acordo com as posses da família e com sua realidade financeira. Do contrário, estarão transmitindo a mensagem de que é normal comprometer o orçamento da casa e deixar de honrar compromissos assumidos para satisfazer seus impulsos de consumo; um exemplo nada saudável para o futuro", afirma.

Uma dica dada por Vignoli para minimizar a frustração das crianças é deixar que elas elaborem uma lista de presentes com opções variadas de preços, tamanhos e marcas. Essa é uma forma que dará ao pai ou a mãe a liberdade de escolher algo dentro do orçamento, sem deixar de atender ao pedido dos filhos.

Leia também: Copom inicia reunião com expectativa pela menor taxa Selic da história

O levantamento foi realizado em duas partes. Inicialmente, 1.632 consumidores de 27 capitais foram consultados para identificar o percentual de quem pretendia ir às compras no Natal.  Depois, a partir de 600 entrevistas, investigou-se o comportamento de consumo para a data. A margem de erro é de 2,4 e 4 pontos percentuais, respectivamente, com margem de confiança de 95%. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.