Tamanho do texto

Para economista, situação da Bovespa ainda não melhorou completamente, mas há sinais de que poderá apresentar uma recuperação nos próximos anos

Brasil Econômico

Em 2003, a bolsa de valores , mercado organizado onde ocorre a negociação de ações de sociedade de capital aberto, públicas ou privadas, além de outros valores mobiliários, estava em 10 mil pontos. Com o cenário econômico favorável, o Brasil e a Bovespa estavam crescendo, com a procura intensa dos investidores por boas oportunidades.

Leia também: Preconceito 'velado' é grande empecilho do sucesso de empresas no País; entenda

Desde então o mercado acionário já passou por altos e baixos. Houve a quebra da bolsa do Rio de Janeiro, a crise do subprime, que fez com que a bolsa de valores despencasse mais de 50%, se recuperando entre 2010 e 2015. No ano passado, a bolsa não parou de subir, e neste ano, o Índice da Bovespa ultrapassou a marca histórica de 76 mil pontos, com a quebra de vários recordes consecutivos.

Investir na Bovespa em tempos de instabilidade é viável?
shutterstock
Investir na Bovespa em tempos de instabilidade é viável?

Levando em consideração tantos acontecimentos negativos e positivos, o economista e chefe de operações, Pedro Coelho Afonso, avaliou em três pontos se o investidor deverá ou não fugir da bolsa nos próximos anos. Veja:

1) Crescimento mundial e a situação geopolítica

Até este ano, o cenário de crescimento ainda não era tão notável. Era evidente apenas a saída de um crescimento de pouca significância frente a outras economias globais, juntamente da aceleração do ritmo de expansão dos países em geral, nos últimos anos. "A questão geopolítica aparentemente nunca esteve pior desde a crise dos mísseis de 1962. A eleição do presidente Donald Trump nos Estados Unidos pode ser considerada a vitória de um dos maiores azarões da história”, comenta.

2) Economia e política nacional

Mesmo com dados econômicos brasileiros não demonstrando crescimento considerável, há um cenário de juros mais baixos, expectativa de crescimento, menor inflação e a melhora no mercado de trabalho, com a criação de empregos. "A situação ainda não melhorou, mas pode melhorar. No ano passado, Dilma Rousseff, ex-presidente do Brasil, sofreu impeachment. Embora o novo presidente também esteja sendo acusado de corrupção, a situação têm melhorado bastante", afirma.

Leia também: Desemprego atinge 12,7 milhões de brasileiros, aponta IBGE

3) Visão dos investidores estrangeiros

O economista expõe que a bolsa de valores ainda é muito movimentada pelos investidores estrangeiros, que representam mais de 50% do volume da mesma. Desse modo, é importante que algumas questões sejam avaliadas por eles: será que vale a pena investir em um país com caos político e parcial insegurança jurídica?

Investir em um país que não é o seu, não é tão simples quanto parece.  Um idioma desconhecido, leis diferentes mudando a cada dia e o funcionamento da sociedade não é o que você está habituado. Qualquer insegurança desse tipo pode contribuir ainda mais para a incerteza na hora de investir.

Leia também: Deficit da Previdência custaria mais de R$ 110 mil para cada jovem, diz Fazenda

Porém, é possível analisar que adentrar a Bovespa em seu momento atual deve ser um ato cercado de cuidados. "É preciso aproveitar o momento . Não se pode explicar exatamente porque um mercado sobe ou desce, exceto em casos muito explícitos. Podemos identificar momentos em que a cautela deve ser redobrada, pois mercados que sobem muito em cenários não muito claros, e não muito favoráveis como visto, dificilmente nos dão indicadores do topo ou do fundo do poço. Ganha dinheiro quem enxerga antes o que ninguém ainda vê", explica.

    Leia tudo sobre: Bovespa
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.