Tamanho do texto

O “Dragoncard” e os outros cartões de débito de moedas digitais têm o potencial de ajudar as criptomoedas a se tornarem amplamente aceitas

Brasil Econômico

Moedas criptografadas como Ethereum (Ether) e Bitcoin estão se popularizando graças aos seus muitos benefícios em relação às moedas tradicionais. Mas elas ainda ficam atrás dessas moedas de uma maneira chave: não são fáceis de gastar em lojas físicas. As pessoas podem gastar dólares e euros usando uma infinidade de cartões de débito, crédito e presente, mas suas opções são severamente limitadas quando se trata de gastar criptomoedas.

Leia também: IA e robótica: veja o que Bill Gates disse sobre esses avanços tecnológicos

Quando alguém usar o “Dragoncard”, a LBX pagará o revendedor em libras primeiro e, em seguida, tomará o valor equivalente da carteira de criptomoedas do comprador
Divulgação/London Block Exchange
Quando alguém usar o “Dragoncard”, a LBX pagará o revendedor em libras primeiro e, em seguida, tomará o valor equivalente da carteira de criptomoedas do comprador

No entanto, isso está começando a mudar. O “Centra Card” pode ser usado como um cartão de débito para gastar Bitcoin, Ether, Dash e várias outras criptomoedas . O “Token Card” é outro cartão de débito criptografado e, em breve, a startup de Londres, London Star Exchange (LBX) lançará um cartão de débito Visa pré-pago que atuará da mesma forma.

O “Dragoncard” permitirá que as pessoas convertam seu Bitcoin, Ether, Ripple, Litecoin e Monero em libra no momento da compra, tornando mais fácil o uso dessas moedas em lojas de todo o Reino Unido, incluindo aquelas que ainda não aceitam formas alternativas de pagamento.

De acordo com o portal de notícias, Business Insider, o cartão de débito criptografado será emitido pelo provedor de cartão pré-pago Wavecrest, e ele vem com um aplicativo que as pessoas podem usar para comprar e gerenciar as criptomoedas. Quando alguém usar o “Dragoncard”, a LBX pagará o revendedor em libras primeiro e, em seguida, tomará o valor equivalente da carteira de criptografia do comprador.

Antes de correr para obter o seu em dezembro, os interessados ​​devem conhecer algumas coisas. Primeiro, o cartão em si é £ 20 (US$ 26.33). Em segundo lugar, eles cobrarão uma taxa de 0,5% sempre que comprarem ou venderem as moedas criptografadas na plataforma da LBX. Por último, o fornecedor Wavecrest cobra uma pequena taxa por retiradas de ATM - é um cartão de débito, afinal.

Leia também: Veja como uma identificação digital pode facilitar a gestão da sua identidade

O caminho à aceitação

Apesar das taxas, o “Dragoncard” e os outros cartões de débito de moedas digitais têm o potencial de ajudar as criptomoedas a se tornarem amplamente aceitas e, o mais importante, compreendidas.

O “Dragoncard” também chega em um momento em que o Bitcoin está experimentando um surto considerável de crescimento. Com as escolas, as empresas e mesmo as nações começando a adotar o Bitcoin, a moeda está pronta para continuar aumentando em valor e popularidade, e com o “Dragoncard”, a LBX espera ajudar os londrinos a se juntar a esse segmento cada vez maior de apoiadores.

"Apesar de ser a capital financeira do mundo, Londres é um lugar difícil para os investidores entrar e negociar no mercado de criptografia", disse o fundador e CEO da LBX, Benjamin Dives, em um comunicado. "Nós vamos trazê-lo para o mainstream, removendo as barreiras para o acesso e ajudando as pessoas a entender e ter confiança no que acreditamos ser o futuro do dinheiro".

"Estamos oferecendo uma experiência grande e robusta para aqueles que desejam entender e investir de forma segura e fácil nas moedas digitais", disse o presidente executivo da LBX, Adam Bryant. "Estamos confiantes de que vamos transformar este mercado no Reino Unido. e nos tornaremos a principal consultoria de criptomoedas e Blockchain para investidores institucionais e consumidores".

Leia também: Compra de bitcoin é liberada no aplicativo de pagamentos Cash

*Com tradução de futurism.com

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.