Tamanho do texto

Operação Black Friday, deflagrada nesta sexta-feira (24), registrou autuação de nove das 27 lojas fiscalizadas no comércio de rua e shoppings do Rio

Ricardo Eletro anunciou descontos na Black Friday, mas Procon encontrou cartazes antigos com o mesmo preço
Divulgação
Ricardo Eletro anunciou descontos na Black Friday, mas Procon encontrou cartazes antigos com o mesmo preço

Na operação Black Friday, deflagrada nesta sexta-feira (24), o Procon Estadual autuou nove das 27 lojas fiscalizadas no comércio de rua do Centro do Rio de Janeiro e nos shoppings Via Parque, Barra Shopping, Nova América e Norte Shopping. Além disso foi aberta uma investigação preliminar e instituída uma autuação contra duas redes de varejo por problemas encontrados em sites.

Leia também: Juiz não aplica nova lei reverte demissão de 100 fisioterapeutas

Uma das principais irregularidades na fiscalização de rua foi encontrada em filiais da rede Ricardo Eletro, localizadas no Centro e no Norte Shopping. Em ambos os estabelecimentos, havia etiquetas indicando ofertas em móveis da Black Friday . No entanto, na parte de trás de duas delas, havia outro cartaz com data mais antiga mostrando o mesmo preço que foi anunciado nesta sexta-feira como promocional.

Em uma terceira unidade da Ricardo Eletro, no Shopping Via Parque, um cartaz anunciava descontos de até 80%, mas nenhum produto estava sendo vendido com este desconto. Os fiscais determinaram a retirada imediata dos cartazes contendo essa informação.

Leia também: Governo lança programa para levar startups brasileiras ao exterior

O anúncio de descontos que não existiam também foi constatado pelo Procon Estadual em outras lojas que foram fiscalizadas na operação. É o caso da Wöllner, do Barra Shopping, e da Universo Kids, localizada no Via Parque.

Lojas virtuais

Com base em seu monitoramento de preços online, o Procon Estadual abriu uma autuação contra a B2W por problemas encontrados no site da Lojas Americanas. Um fogão e um aparelho de ar condicionado estavam sendo vendidos com preços supostamente promocionais, mas dias antes da liquidação eram oferecidos por valores iguais ou até inferiores.

Leia também: Brasil teve queda de 1,1 milhão de linhas fixas de telefone, diz Anatel

Além disso, o monitoramento também identificou que produtos vendidos pelo site da Casas Bahia na Black Friday tinham prazos de entrega que superavam 90 dias sem qualquer justificativa para a demora. Isso motivou a abertura de uma investigação preliminar contra a CNova, empresa responsável pelo site. O Procon Estadual monitorou, durante uma semana, os preços de TVs, smartphones, geladeiras, fogões e aparelhos de ar condicionado nos sites das seguintes lojas: Americanas, Casas Bahia, Ponto Frio, Casa&Vídeo e Magazine Luiza.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.