Tamanho do texto

Segundo o ministro da Fazenda, com os ajustes propostos a aprovação se torna mais fácil. Ele estima que a votação sobre o assunto seja neste ano

Henrique Meirelles se diz confiante com votação da Reforma da Previdência ainda este ano e Michel Temer entrega nesta quarta-feira (22) o texto base para votação
Beto Barata/PR - 13.7.17
Henrique Meirelles se diz confiante com votação da Reforma da Previdência ainda este ano e Michel Temer entrega nesta quarta-feira (22) o texto base para votação


Segundo o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, está tudo “acertado” para que a Reforma da Previdência seja votada ainda este ano. Durante sua participação na audiência pública conjunta de quatro comissões da Câmara: de Finanças e Tributação, de Fiscalização Financeira e Controle, de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços, e de Trabalho, Administração e Serviço Público, ele enfatizou que o texto está “em fase final de ajustes”.

Leia também: Banco Mundial diz que Brasil tem espaço para aumentar tributação sobre renda

Informações dos bastidores políticos enfatizam que na noite desta quarta-feira (22) o presidente Michel Temer oferecerá um  jantar no Palácio da Alvorada aos parlamentares da base e apresentará o novo texto da Reforma da Previdência , que será enviado  à votação.

Fim da recessão

O ministro da Fazenda  enfatizou em sua apresentação na tarde de terça-feira (21) dados sobre o ajuste fiscal e afirmou que o “País saiu da recessão e que todos os indicadores apontam nessa direção”.

Ao comparar a situação atual da economia ao começo do governo do presidente Michel Temer , Meirelles destacou que a inflação acumulada em maio de 2016 era de 9,3% e que agora, em novembro, está em 2,7%. “Em decorrência, nesse mesmo período, os juros da Selic [taxa básica de juros] também caíram de 14,25% [ao ano] para 7,5%, e o risco pais para os títulos com vencimento em cinco anos, foram de 328 para 173 pontos base”.

Leia também: Cinco em cada 10 brasileiros usarão o 13º salário para fazer compras no Natal

Outro dado enfatizado por Meirelles referiu-se ao corte gradual das despesas do Governo Central – que envolve o Tesouro Nacional , Previdência Social e Banco Central – ocorreu e não houve necessidade de aumentar a carga tributária. Porém, ele reafirmou que o ajuste tem que vir de mudanças nas despesas obrigatórias, especialmente as da Previdência. 

Ao defender a aprovação da Reforma da Previdência, que trará grandes mudanças na aposentadoria dos brasileiros, Meirelles disse aos deputados que a reforma da Previdência é a prioridade do governo neste momento e que se não for aprovada, o Brasil terá que aprender a viver com as consequências. “É uma questão de números. Sem reforma, dentro de 10 anos, 70% do Orçamento irá para a Previdência.”

Leia também: Relatório do Banco Mundial ressalta a ineficiência da gestão pública do Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.