Tamanho do texto

Os gestores da bolsa permanecem cuidadosos em relação aos investimentos, com a atenção voltada à agenda de reformas, em especial a da Previdência

Brasil Econômico

Bovespa (B3)  encerrou o terceiro trimestre deste ano com valor de mercado de R$ 49,3 bilhões.
iStock
Bovespa (B3) encerrou o terceiro trimestre deste ano com valor de mercado de R$ 49,3 bilhões.

Nesta segunda-feira (13), o Índice da Bovespa (Ibovespa) começou a semana oscilando, entre altas e baixas. Os gestores permanecem cuidadosos em relação aos investimentos, com a atenção voltada aos próximos passos acerca da reforma da Previdência .

Leia também: Número de negativados chega a 59,3 milhões em outubro, mostra SPC Brasil

Às 10h53, o Ibovespa registrava alta de 0,12%, aos 72.254 pontos. Já por volta das 12h34, a Bovespa recuava 0,23%, aos 72.058 pontos. As ações da Usiminas apareceram entre as mais negociadas, com avanço de 2,32%. Em contrapartida, as ações preferenciais (PN) da Petrobras e as ordinárias de nível 1 (ON N1) da Vale apresentavam baixa de respectivamente, 0,60% e 0,31%.

Vale lembrar que no pregão de sexta-feira (10), o Ibovespa caiu 1,05%, aos 72.167 pontos, influenciado pelos posicionamentos do governo sobre a reforma da Previdência.  Na semana passada, o índice acumulou seu segundo decréscimo,  na ordem de 2,4%.

Resultados da B3

Na sexta-feira (10), a bolsa paulista também divulgou os resultados do terceiro trimestre deste ano. No total, houve alta de 20% na receita obtida no período, que foi de R$ 1,17 bilhão. O lucro líquido referente ao terceiro trimestre foi de R$ 445,3 milhões.

Leia também: Banco Central: após quatro semanas estável, estimativa da inflação tem alta

A concretização de projetos importantes também foi evidenciada no balanço: “a B3 alcançou um grande marco em sua história com a conclusão da segunda fase da integração de nossas clearings , migrando os mercados de ações e renda fixa corporativa para uma nova infraestrutura integrada aos mercados de derivativos financeiros e de commodities. A nova clearing utiliza nosso sistema proprietário de risco CORE, que traz ganhos de eficiência para a gestão de colateral por considerar o portfólio de cada cliente como um todo. Como resultado desta entrega, R$21 bilhões em garantias foram devolvidos aos nossos clientes, melhorando o uso de capital para o mercado”, afirmou o presidente da B3, Gilson Finkelsztain.

Em comparação ao mesmo período do ano passado, todas as áreas de negócios avançaram: segmento BM&F, com 19,9%; segmento Bovespa, com 18,7%; Cetip UTVM, com 5,1% e Cetip UFIN, com 17,3%. Em relação às receitas não vinculadas a volumes negociados, o aumento foi de 52,4%. As despesas ajustadas também cresceram, porém abaixo da inflação, com o total de R$ 252,1 milhões. A companhia ainda continuou com o processo de redução de sua dívida, com o resgate de uma emissão de debêntures de R$ 500 milhões. A B3 encerrou o terceiro trimestre deste ano com valor de mercado de R$ 49,3 bilhões. 

Leia também: Somente 11% das empresas se regularizaram na Receita Federal em outubro

    Leia tudo sobre: Bovespa
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.