Tamanho do texto

Com os smartphones coletando uma gama maciça de dados on-line, pode-se obter uma visão um tanto quanto precisa de como uma pessoa se comporta

Brasil Econômico

Você acorda, se prepara para o trabalho, toma um café da manha com a sua esposa, então se despede porque vai passar o dia fora. Esta é a sua rotina diária. Há, no entanto, algo incomum: seu amado morreu faz muitos anos. Você não tomou café da manhã com seu cônjuge – mas sim com um dispositivo que é a simulação dele.

Leia também: Inteligência Artificial do Google pretende unir pessoas e máquinas

Dispositivo: As simulações sustentam a possibilidade de que os vivos não sejam mais permanentemente separados dos mortos
shutterstock
Dispositivo: As simulações sustentam a possibilidade de que os vivos não sejam mais permanentemente separados dos mortos

A simulação vive em um ambiente virtual , talvez acessado por um dispositivo com o Oculus Rift – equipamento utilizado para experiência de realidade virtual. Uma empresa digital de luto capturou e analisou torrents de dados sobre seu marido para criar uma semelhança digital. Sua voz, seu modo de andar, suas peculiaridades e maneirismos, as ondulações de sua risada – todos esses aspectos são replicados com semelhança quase perfeita pelo dispositivo . Passar o tempo com seu cônjuge digitalmente renascido simplesmente tornou-se parte da sua rotina diária.

A morte é normalmente como o grande nivelador que marca a cessação da experiência. Mas talvez isso não seja o caso. Mesmo que os mortos não possam mais se comunicar conosco, ainda podemos interagir por meio de uma simulação com eles. Foi a morte de meu pai que me inspirou a embarcar em um projeto para tornar essa fantasia realidade.

Há 200 anos, as pessoas não tinham acesso a uma foto de um ente querido que partisse, e há algumas décadas, o mesmo poderia ser dito para qualquer filmagem em vídeo de uma pessoa. No entanto, em breve, as simulações poderão imitar com precisão aqueles que morreram para que possamos continuar a interagir com eles como se estivessem vivos. À medida que as tecnologias emergentes conspiram para fazer das simulações dos mortos uma parte de nossas vidas, essa possibilidade já não é o domínio da ficção científica.

Leia também: MasterCard anuncia que pagamentos podem ser feitos em Blockchain

Dados armazenados

Com os smartphones coletando uma gama maciça de dados on-line, pode-se obter uma visão um tanto quanto precisa de como uma pessoa se comporta. Este tipo de coleta de dados seria a base para criar simulações do falecido. Os seres humanos têm uma tendência natural de atribuir a agência  – de fato a personalidade  – para animar objetos, de modo que criar uma simulação convincente pode não ser tão difícil quanto parece. Considere Eliza, um programa de computador com algumas linhas de código criadas na década de 1960, que poderiam convencer as pessoas de que estavam falando com um psicoterapeuta. E os robôs ainda estão ficando mais sofisticados desde então.

Uma objeção imediata é que uma simulação nunca será tão rica quanto à pessoa real. Mas isso é parecido com dizer que um programa de xadrez não vai poder jogar xadrez na mesma maneira astúcia que um campeão humano faz. Enquanto o Deep Blue da IBM possuía uma arquitetura de jogo de xadrez exaustiva baseada em pesquisa, que era menos do que elegante, realizava a tarefa de derrotar o grande mestre dos xadrez que já havia vivido.

Se a nossa simulação hipotética pode passar a versão da pessoa falecida do teste Turing, então realizamos a tarefa de ter experiências dos mortos. Não fique preocupado em atribuir inteligência ou consciência ao software. Se o único objetivo é ter a experiência de interagir com uma pessoa que agora é falecida, a metafísica da identidade pessoal é irrelevante. Será que esse sistema tem uma alma? Será que será consciente? Na melhor das hipóteses, essas questões são irrelevantes e, na pior das hipóteses, nos distraem de realmente tentar construir simulações precisas. Meu projeto se concentra em tornar as experiências de uma pessoa falecida possível - mas não necessariamente experiências com o falecido.

Leia também: Renda Básica Universal será testada em cidade da Califórnia, nos EUA

Um passo além

As simulações podem ser pensadas como o próximo passo na evolução do luto. Quer seja escrevendo elogios, construindo memórias, criando túmulos ou simplesmente mantendo uma fotografia na mesa de cabeceira, as pessoas – culturas, de modo geral - têm diferentes maneiras de viver o luto,  mas sempre lembram e relembram os momentos com a pessoa que faleceu. Um dos grandes apelos da religião é a promessa de reunir-se com os partidos de uma forma ou de outra. As simulações sustentam a possibilidade de que os vivos não sejam mais permanentemente separados dos mortos.

Essas simulações também mudarão como nos relacionamos com a vida. Imagine se você não precisou dizer adeus para sempre (ou seja, até você mesmo morrer). A morte de um amigo seria encontrada com luto e profunda tristeza, é claro. Mas, em qualquer momento do futuro, você ainda poderia passar o tempo rindo e relembrando com uma simulação tão semelhante ao seu amigo que seria quase que impossível distinguir os dois.

Ao mesmo tempo, um mundo onde você pode interagir livremente com simulações idealizadas de outras pessoas poderia ter um efeito deletério sobre os relacionamentos do mundo real. Por que interagir com seu tio petulante na vida real quando você pode interagir com uma versão idealizada e muito mais divertida dele no mundo digital? Afinal, os bots podem ser silenciados e seus traços incômodos simplesmente são excluídos. Por que se preocupar com os vivos, se os mortos podem proporcionar conforto e personalidade adaptados aos nossos caprichos?

Vale ressaltar, que também podem surgir padrões de comportamento novos e inesperados. Talvez simulações permitam às pessoas manter rancores mesmo depois que uma pessoa morreu, continuando a combater um bot apenas há um clique de distância. Alternativamente, pode-se aguardar o desaparecimento do outro e soltar os rancores mais tarde para que eles possam lidar com uma versão mais agradável dessa pessoa. A única diferença é que não será uma pessoa com a qual eles estão interagindo, mas sim um simulacro.

Se não começarmos uma discussão sobre a possibilidade e a viabilidade das simulações do dispositivo do falecido agora, então elas serão empurradas para nós quando não estivermos prontos para elas no futuro – que está próximo. A estrada estará repleta de dilemas morais e questões sobre a condição humana. Logo, a linha que divide os vivos dos mortos pode não ser tão clara.

Muhammad Aurangzeb Ahmad

*Este artigo foi originalmente publicado no Aeon e foi republicado no Creative Commons.

*Com tradução de futurism.com

    Leia tudo sobre: inovação