Governo teve frustração de cerca de R$ 1,8 bilhão com leilões do pré-sal, pois dois blocos não foram negociados
shutterstock
Governo teve frustração de cerca de R$ 1,8 bilhão com leilões do pré-sal, pois dois blocos não foram negociados

Os leilões de petróleo da camada pré-sal, realizados na última sexta-feira (27), resultaram em dificuldade adicional para o governo, mesmo sendo tratados como uma das principais apostas da equipe econômica para cumprir a meta fiscal de déficit de R$ 159 bilhões. A frustração de cerca de R$ 1,8 bilhão fará a meta ser revisada para baixo a estimativa de receitas extraordinárias que entrarão nos cofres federais até o fim do ano.

Leia também: Ministério do Trabalho divulga "Lista Suja" de empresas que já foram autuadas

Inicialmente, o governo pretendia arrecadar R$ 11,75 bilhões em 2017 com os leilões do pré-sal. No entanto, as três rodadas terminaram com arrecadação de R$ 9,95 bilhões. Isso ocorreu porque, nos leilões de sexta-feira (27), não foram vendidos dois dos oito blocos ofertados, reduzindo de R$ 7,75 bilhões, valor inicialmente previsto, para R$ 6,15 bilhões, a quantia arrecadada pela União.

A secretária do Tesouro Nacional, Ana Paula Vescovi, informou na última quinta-feira (26) que o governo contava com R$ 27,6 bilhões de receitas de concessões em caixa nos meses de novembro e dezembro para fechar as contas. Do total, R$ 12,3 bilhões virão do leilão das hidrelétricas da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), que entrarão no próximo mês, e R$ 3,55 bilhões, da concessão de aeroportos, cujo pagamento será feito em dezembro.

Os demais recursos de concessões virão dos leilões do pré-sal , que também ingressarão nos cofres federais em dezembro. No entanto, as receitas finais com concessões em 2017 ficarão em R$ 25,8 bilhões por causa da não venda de duas áreas no último leilão de petróleo e gás.S

Somente no fim de novembro, quando o Ministério do Planejamento publicará o Relatório Bimestral de Avaliação de Receitas e Despesas, a frustração de receitas será incorporada às estimativas oficiais. O documento contém atualizações de parâmetros econômicos e de projeções de arrecadação necessários para o cumprimento da meta fiscal de déficit primário – resultado negativo nas contas, excluindo os juros da dívida pública – de R$ 159 bilhões para este ano.

Você viu?

Leia também: Confira três dicas para planejar uma aposentadoria inteligente

Se não for encontrada uma nova fonte de recursos que compense o montante de R$ 1,8 bilhão que deixará de entrar no caixa, será preciso contingenciar parte dos R$ 12,8 bilhões liberados no fim de setembro. A liberação de recursos é essencial para a manutenção de serviços públicos que enfrentaram dificuldades financeiras no decorrer do ano, como o patrulhamento de rodovias federais, o sistema de controle do espaço aéreo e o funcionamento das universidades federais.

Refis

A sanção da medida provisória que estabelece condições mais brandas para a renegociação de dívidas de contribuintes com a União resultou em nova frustração de receitas. Originalmente, era pretendida a arrecadação de R$ 13 bilhões com o programa, mas a estimativa foi reduzida para R$ 8,8 bilhões e posteriormente para R$ 3,8 bilhões após o Congresso alterar a proposta original da equipe econômica para ampliar o desconto nas multas e nos juros.

A secretária do Tesouro também informou que ainda não foi calculado em quanto ficará a arrecadação final do Programa Especial de Regularização Tributária (Pert), também conhecido como Novo Refis. Segundo ela, o déficit primário, que acumula R$ 168,6 bilhões nos 12 meses terminados em setembro, deverá encerrar o ano dentro da meta de R$ 159 bilhões porque, além das receitas de concessões e do Pert, despesas que ocorreram nos últimos dois meses do ano passado não se repetirão no mesmo período deste ano.

Leia também: Hospital é condenado após morte de funcionária grávida

Vescovi citou a antecipação de R$ 18,1 bilhões no pagamento de precatórios, realizados em novembro e dezembro em 2016, mas passaram para maio e junho em 2017. Além disso, no fim do ano passado, o governo regularizou o pagamento de tarifas bancárias e dívidas com organismos internacionais e transferiu, para os estados e os municípios, R$ 21 bilhões da primeira etapa do programa de repatriação, fatos que não ocorrerão este ano. “A meta fiscal ainda tem condições de ser cumprida”, reiterou Ana Paula Vescovi.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários