undefined
shutterstock
Atualmente, há 16.196 jovens de 16 a 25 anos fazendo negócios na Bovespa

Iniciar investimentos em Bolsas de Valores como a Bovespa pode parecer uma ideia distante, principalmente para estudantes e estagiários que se viram mensalmente com orçamentos tão apertados. Porém, essa não é uma iniciativa a ser descartada. De acordo com o Perfil de Investidores da B3, divulgado em setembro deste ano, há 16.196 jovens de 16 a 25 anos fazendo negócios na Bolsa, sendo 13.489 homens e 2.707 mulheres.

Leia também: Negócios: mercado de tatuagem vai além da arte e cresce durante a crise

Se comparado a 2015, o crescimento é evidentemente alarmante, uma vez que somente 2 mil jovens faziam parte do mercado acionário da Bovespa . Pensando nessa demanda e em como ajudar os universitários a adentrarem o mundo dos negócios, o consultor financeiro, Rodrigo Bussab listou os melhores investimentos para aqueles que ganham salários baixos, além de destacar alguns cuidados a serem tomados durante esse período inicial. Confira:

Etapas

O primeiro passo para quem deseja ingressar na bolsa paulista é abrir uma conta. Existem diversos portais de investimento de baixo custo e serviços de Home Broker – sistema que insere o investidor no período/pregão de compra e venda de ações – onde o estudante pode se cadastrar, para que assim possa dar início aos negócios.

As corretoras de valores também são opções viáveis para o negociador iniciante, já que desempenham o papel de mediadora entre o cliente e as instituições financeiras, cobrando pequenas taxas para ofertarem o melhor serviço de acordo com o interesse de cada pessoa.

O consultor explica que estudantes podem e devem adentrar o mercado acionário. Um jovem de 18 anos que começa a investir R$ 300 por mês pode garantir R$ 245 mil quando estiver com seus 45 anos, por exemplo. Entretanto, ressalta que os depósitos deverão acrescer de acordo com a alta na remuneração ao longo da vida profissional.

“Aos 18, principalmente se você ainda tem algumas contas pagas porque mora com os pais, separe 10% do que ganha. Mais para frente, possivelmente com família, filhos e mais responsabilidades, talvez precise primeiro pagar as contas para depois separar o saldo. E se sobrar!", ressalta.

Lucro e cuidados

Para os iniciantes que querem aproveitar os bons ganhos que a Bolsa pode dar, o mais indicado é comprar ações de grandes empresas, se atentando as que estão com baixa volatilidade, ou seja, quando o gráfico de rentabilidade histórica é mais parecido com uma linha crescente e menos parecido com um eletrocardiograma.

Leia também: Burger King dará lanche de graça a consumidor que se vestir de palhaço

Cerca de seis a oito ações com correlação inversa –  quando um ramo se comporta diferentemente do outro, como na crise, onde os bancos vão bem e o varejo não – são indicadas. Assim, é possível garantir que, no longo prazo, as perdas sejam compensadas pelos ganhos. Outra dica é o monitoramento constante e o uso da máxima de compra de ações: compra na baixa e venda na alta.

Em relação aos perigos que cercam a Bolsa de Valores, o consultor alerta a não especulação, referente a compra e venda frequente de ações. “Isso é para poucos especialistas que têm seis telas de computador na frente e ficam monitorando o mundo e seus vários fusos horários atrás de informações e oportunidades. Poucos sabem o momento certo de comprar e vender”, afirma.

Outro cuidado importante está na compra de ações que tem que abastecer o "caixa" ou "envelope" de longo prazo​, ou seja, aquele dinheiro que ​você não vai usar para o dia a dia, mas sim para comprar um ingresso de um show de um artista passando pelo Brasil (oportunidade) ou para uma emergência (perdi a bolsa de estudo ou vou precisar morar sozinho).

Aqui, separar a quantia de curto prazo para investimentos de baixo risco, como o Certificado de Depósito Bancário (CDB), de médio prazo em risco moderado, como fundos multimercados e investir em ações para o longo prazo é uma boa estratégia para manter o ritmo e afastar os riscos que cercam esse mercado.

Por fim, Bussab orienta que é necessário que o estudante peça ajuda a um especialista caso tenha dúvidas. Reconhecer suas dificuldades é um passo importante para que os resultados sejam positivos. Além disso, destaca que para ser um investidor não basta apenas ter disciplina, é necessário ter constância, ritmo e saber qual o objetivo daquele dinheiro. ​

“Acredito que as pessoas têm que curtir o caminho e ter em mente que guardar dinheiro , seja para investir na Bovespa ou para outra finalidade, é sempre importante. É certo que você vai precisar daquela quantia em algum momento da vida. Então se costuma ir a balada seis vezes por mês, não precisa parar de ir.  Vá quatro​ vezes e poupe o dinheiro de duas. Lembre-se: não existe conquista sem sacrifício”, conclui.

Leia também: Contribuintes que já aderiram ao Refis não precisam fazer novo requerimento

    Leia tudo sobre: Bovespa

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários