Brasil Econômico

A proposta da empresa de telefonia Oi, que pretende reverter às multas aplicadas por investimentos, foi rejeitada pelo Conselho Diretor da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) nesta segunda-feira (23). As penalidades referem-se a infrações cometidas pela Oi ao não cumprir direitos e garantias aos usuários de seus serviços, fiscalização e interrupções.

Leia também: Bovespa opera em baixa de 1,16% nesta segunda-feira, atenta ao cenário político

Oi tentar acordo para investir valor de multas em melhorias na empresa, mas Anatel rejeita proposta
Reprodução
Oi tentar acordo para investir valor de multas em melhorias na empresa, mas Anatel rejeita proposta



A decisão de negar a proposta foi unânime em reunião fechada entre os conselheiros da Anatel ao deliberarem sobre o Termo de Compromisso de Ajustamento de Conduta (TAC) proposto pela Oi, empresa que está em recuperação judicial deste o ano passado.

A autarquia afirmou, por meio de nota, que  “o andamento não satisfatório das tratativas voltadas à construção de um plano de recuperação judicial sustentável para o Grupo Oi trouxe à agência questionamentos sobre a capacidade do grupo honrar os compromissos que viriam a ser assumidos no âmbito dos TAC’s”.

Você viu?

A nota informava que os problemas acerca da recuperação judicial foram decisivos na hora de não aceitar a proposta feita pela empresa de telefonia. “Diante dessas circunstâncias, o Conselho Diretor decidiu, por unanimidade, não aprovar a celebração do TAC, relativo aos temas de Direitos e Garantias dos Usuários, Fiscalização e Interrupções Sistêmicas, e revogar de ofício, em caráter incidental e translativo, a decisão que aprovou o TAC, cujo objeto refere-se aos temas de Qualidade, Universalização e Ampliação do Acesso. Esta decisão administrativa será comunicada ao Tribunal de Contas da União para os fins de estilo”, informou a autarquia.

Leia também: Receita Federal bloqueia empresas por irregularidades em declarações do Simples

Dívidas

A empresa acumula dívidas na ordem de R$ 64 milhões e se viu sem saída no ano passado, quando optou pelo processo de recuperação judicial para tentar reverter à situação econômica em que se encontra. Foi informado que os processos analisados nesta segunda-feira (23) pelo Conselho Diretor da Agência Nacional de Telecomunicações referem-se ao montante de R$ 4,8 bilhões, sendo esse valor maior a primeira TAC da empresa, que foi de R$ 1,2 bilhão, cuja tramitação foi suspensa pelo Tribunal de Contas da União (T CU ), justamente pelo fato de a Oi estar em recuperação judicial.

A Anatel e a empresa de telefonia estão em disputa judicial sobre as dívidas que a Oi acumula com a autarquia, sendo esse valor na ordem de R$ 11 bilhões.

*Com informações da Agência Brasil 

Leia também: Em recuperação judicial, Oi chega a acordo com quase metade de seus credores

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários