Tamanho do texto

Índice de Confiança do Consumidor do município de São Paulo registra queda de 1,8% em setembro, com 99,7 pontos frente aos 101,5 de agosto

Brasil Econômico

ICEA da Fecomercio-SP permanece no patamar dos 70 pontos, com desempenho ruim e intenso das expectativas
shutterstock
ICEA da Fecomercio-SP permanece no patamar dos 70 pontos, com desempenho ruim e intenso das expectativas

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP) divulgou nesta quarta-feira (27) os resultados do Índice de Confiança do Consumidor (ICC), que registrou um recuo de 1,8% em setembro, atingindo 99,7 pontos frente aos 101,5 de agosto.  Essa foi a primeira vez, desde julho do ano passado, que o indicador ficou abaixo dos 100 pontos.

Leia também: Consumidores poderão ser pagos pelas informações que fornecem online

No confronto com o mesmo período do ano passado, quando registrou 107 pontos, o indicador retraiu 6,8% – a primeira queda nessa base comparativa desde maio de 2016. Vale mencionar que o ICC da Fecomercio-SP possui uma escala de pontuação que varia de zero a 200 pontos, indicando pessimismo e otimismo total, respectivamente.

Os dois componentes do índice mostraram-se assimétricos ao longo deste mês, enquanto o Índice das Condições Econômicas Atuais (ICEA) apresentou crescimento de 1,2%, ao passar de 69,3 pontos em agosto para os atuais 70,1. Em contrapartida, o Índice de Expectativas do Consumidor (IEC) recuou 2,9%, indo de 122,9 para 119,4 pontos. Se comparado com o ano passado, o ICEA avançou 19,5% e o IEC caiu 14,2%.

Situação econômica e expectativas

De acordo com a assessoria econômica da Federação, ainda que as percepções médias da situação da economia atual tenham melhorado, o ICEA continua no patamar dos 70 pontos, uma vez que as expectativas começaram a ter um desempenho ruim e intenso, principalmente após as polêmicas no cenário político em maio deste ano. A entidade expõe que com a alta de 0,2% do Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre e a retomada de uma economia favorável, se estima também uma melhora na confiança do consumidor a partir do último trimestre do ano.

 Leia também: Leilão das usinas hidrelétricas operadas pela Cemig rendem R$ 12,1 bilhões

Gênero e renda

No que se diz respeito aos componentes que integram o ICC, houve uma divergência nos resultados relativos a classe de renda. O grupo de consumidores com renda familiar de até 10 salários mínimos registrou baixa de 6,5%, passando de 68,7 para 64,2 pontos, enquanto os consumidores com renda superior a destacada acima avançaram 17%, ultrapassando os 70, 6 pontos de agosto, para 82,6 pontos. Houve ainda um crescimento de 9,8% no grupo feminino, passando de 60,4 para 66,3 pontos.

As informações trazidas pelo IEC da Fecomercio-SP apontaram que todos os itens sofreram quedas em suas taxas mensais , exceto o grupo feminino. As expectativas do grupo masculino decresceram 6%, indo de 129,6 para 121,8 pontos, ao contrário do grupo feminino, que apresentou elevação de 0,6%, passando de 116,3 para 117 pontos em setembro. Os consumidores com idade até 35 anos também recuaram 4,3%, ao decaírem de 126,1 para 120,6 pontos.

Leia também: Petrobras anuncia aumento de 7,9% no gás de uso industrial e comercial

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.

    Notícias Recomendadas